Tchau, 2017.

Não foi um ano fácil, mas nunca é.

Eu voltei a ter crises de pânico, o que me levou à voltar para a terapia e aos remédios. A terapia me ajudou a tirar os remédios de novo e principalmente a lidar com as frustrações, que não foram poucas.

Eu fui morar em São Paulo. Sair da casa dos meus pais talvez tenha sido a decisão mais forte que tomei esse ano e têm sido muito bom para a minha saúde não precisar mais passar tanto tempo no trânsito.

Eu saí de um projeto no começo do ano completamente quebrada (lembra das crises de pânico?), me sentindo a pior profissional possível, completamente frustrada com meu trabalho e com a minha capacidade de “estar” líder, seja lá o que isso signifique. Terminei o ano participando de dois projetos maravilhosos, com um time sensacional, com pessoas ainda mais sensacionais, que me ajudaram a recuperar essa auto estima e me redescobrir como profissional.

Eu fui em muitos casamentos, vi amigas e amigos casando e celebrando o amor e isso aqueceu muito meu coração.

Voltei a me sentir bonita. Quero continuar me sentindo assim.

Viajei com pessoas amigas. Bebi muito com elas. Vi amigas conquistarem tantas coisas esse ano. Discuti e fiz as pazes com amigas. Pedi muitas desculpas. Celebrei e me dediquei a estas amizades como eu não fazia há muito tempo. É tão bom ter pessoas para compartilhar e crescer juntas, e sentir que é recíproco.

Eu fiz uma cirurgia e fui incapaz de regular minha alimentação depois dela. Vamos ver se ano que vem eu melhoro.

Participei dos eventos que acredito, fiz palestras.

2017 foi um ano importante e que me ajudou a crescer e amadurecer demais.

Eu começo 2018 de maneira parecida como foi 2017: de férias, na casa dos meus pais, sem nenhum plano mirabolante ou estruturado para o próximo ano.

Que seja mais um ano de crescimento e de redescobrimento, junto das pessoas que me fazem um bem danado ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.