Beto

Filho das melhores almas do mundo, Beto fechou o ciclo: veio por último. E como se não bastasse, veio diferente. Em cabelos, em gestos, em cores e gostos. Nasceu dentro de casa e até hoje é o mesmo quarto que ele habita. Mesmo tendo partido, ainda que tenha viajado, por mais que tenha caminhado: seu coração bate ali.

Beto iniciou a vida com uma bravura recatada. Parece contraditório, mas não. Dentro de si, embora muitas fechaduras lhe travassem em um longo inverno, vivia um invencível verão. Na juventude, desembarcou em primavera. Quem viu não se esqueceu até hoje de como todos os botões de seu sorriso desabrocharam. E por ter florescido tanto, Beto deu frutos. Queridos frutos que hoje lhe enchem a boca para dizer: “São meus!”

E pra além de frutos, Beto cresceu em galhos e raízes. As raízes se estendem por toda e qualquer parte: de Barcelona a Miraí, de Belo Horizonte a Londres. Delas ele se alimenta, se mantém vivo. Engraçado é saber que ele mesmo as cultiva e estimula a brotar. Sem Beto, talvez essas raízes só se enfiariam cada vez mais na terra, o que seria de uma imensa pena, pois não seriam capazes de ver o sol se pondo ao lado dele. Os galhos fazem dele a árvore mais frondosa que se pode avistar em nossos horizontes. Beto oferece sombra aos apaixonados, abrigo aos contemplativos e descanso aos corações partidos.

Beto é o que falta no mundo, pois não sabe se mostrar para seus amados de outra forma que não seja pelo cuidado. Faz comidinhas e banquetes, bebe vinhos deliciosos e cervejas maliciosas, tudo para nos aquecer por dentro. Beto nos entorpece de amizade e todos que já o tocaram se enebriaram tanto de seu companheirismo que até hoje podemos vê-los titubeantes e ébrios por aí.

Ele mesmo, por vezes, faz aparições etílicas: fala mole e chega até a virar abóbora. Suas amigas não dão a mínima: não são Cinderelas. Se divertem em desmesura e aproveitam da sorte que deram nessa vida por estarem tão perto e tão fortemente ao lado de Beto. Pudera! Com Beto, só se for assim: muito, forte, necessário, preciso, inteiro, intenso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.