Soluções para apartamentos pequenos

Frente à demanda imobiliária, arquitetos discutem a melhor forma de usar espaços restritos em casa

No apartamento com projeto do escritório Triptyque, o armário junto ao teto vai de ponta a ponta. Abaixo, detalhe da bancada que sai da cozinha e chega ao quarto, abrigando ainda uma área de trabalho

Convenhamos: montar uma casa com quarto, cozinha, sala de jantar, escritório e banheiro em menos de 25 m² não é tarefa das mais fáceis. Tudo precisa ser criteriosamente planejado e ajustado para que o espaço seja bem aproveitado e acolhedor. Ainda assim, grandes complexos residenciais com apartamentos de metragem pequena são uma das principais apostas das construtoras em São Paulo, que oferecem condomínios com atrativos pensados para compensar a falta de área individual, como lavanderia e cozinha gourmet.

São empreendimentos voltados a pessoas solteiras e que passam boa parte do tempo no trabalho ou na faculdade, como conta Chris Silveira, da Carq Arquitetos, responsável pela decoração do loft de 22m² do edifício Universo Augusta. Ela destaca que o principal desafio do projeto foi evitar que o imóvel ficasse com “cara de quarto de hotel”. “O loft deve ser realmente uma casa e não só um ponto para dormir à noite e sair de manhã para trabalhar.”

Para criar a sensação de que o imóvel é maior, Carolina Bueno, sócia do escritório Triptyque, diz que espaços abertos, como os terraços, são grandes aliados. “É um lugar gostoso que podemos integrar à sala para trazer a amplitude da vista para dentro”.

Cores claras, materiais neutros e espelhos também são importantes estratégias para ampliar o interior do estúdio, diz José Ricardo Basiches. “Temos que dosar para não carregar o ambiente. Quanto mais poluído, menor fica.” No entanto, a recomendação não significa que o morador deva abrir mão de seus gostos.

Uma parede decorada com pequenos quadros ou retratos, por exemplo, é completamente viável. “É possível carregar em um lado e menos no outro, com acabamentos mais claros. O essencial é saber dosar as duas medidas para não perder a personalidade”, diz ele. Outra solução, segundo o arquiteto, é optar por móveis planejados e multifuncionais. “Quanto mais detalhado o projeto, melhor fica.”

“A parte de marcenaria também deve ser bem pensada. O importante é dispor dos mesmos itens necessários para o dia a dia, mas em uma metragem menor”, explica Consuelo Jorge, que assina o projeto de decoração do Vitacon Bela Vista, um apartamento de 14 m², onde ela conseguiu criar ambientes distintos de quarto e escritório divididos por uma parede móvel.

Ainda assim, para viver em um espaço tão reduzido, ela reconhece que existem limitações. “A pessoa precisa encarar o consumo de forma diferente, não dá para ser acumulador.”

Até por isso, considerar os custos com mobiliário planejado é essencial para quem pensa em morar em apartamentos pequenos. “Mesmo que o imóvel não tenha um preço alto, a decoração requer, muitas vezes, uma marcenaria mais cara”, alerta Chris. Móveis retráteis por vezes são necessários e, em geral, eles não custam pouco. “Não dá para fazer esses móveis ‘transformers’ sem ferragens e peças importadas. As lojas nacionais ainda não trabalham com esse material e isso acaba encarecendo.”

Os arquitetos reforçam, no entanto, que é possível decorar uma casa pequena com móveis comprados em lojas convencionais. Para Basiches, a multifuncionalidade também não é exclusiva dos produtos encomendados. “Há uma categoria de móveis comerciais que entra nessa medida menor e proporciona equilíbrio e harmonia no apartamento.”


Reportagem originalmente publicada no suplemento Casa, do jornal O Estado de S.Paulo, em 30/01/2016. http://vida-estilo.estadao.com.br/noticias/casa-e-decoracao,solucoes-para-apartamentos-pequenos,10000014047

Like what you read? Give Malú Damázio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.