Serralheria

Maldita é a merda de meta do mundo que nos mata.

Meço metais para materializá-los horizonte adentro.
Metais de ideias sem metáforas;
Mera ilusão materializada,
dentro do cárcere que se materializa.

Meto uma matéria na mala:
Abster-me do metal desmaterializado
Que colide nas nuvens da nossa mentalização,
matando-as.
Sem medir o menor esforço
metal.

Meramente
descobri meu destino:

- ser um ferreiro serralheiro,

moldando,

des ma te ri a li zan do

a

ni

qui

lando,

metais múltiplos de ideias mastigadas;
quando a mente,
feito boca escancarada,
mastiga a merda do mundo
que as mata.

(por Manay Deô, poeta, Heterônimo criativo de Elidio Santos.
texto extraído da obra Caderno Amarelo: criatividade em crítica)