Terapia

Já me esqueci quem sou
E nem mesmo onde vou.
Não consigo achar meu lugar.
Este caminho está cheio.
Preferi andar para admirar,
Mas só coisas horríveis.

As flores sem jardim, desertos e oásis sem mar.
Foi quando me vi sem sair do lugar
Estou aqui dentro, num labirinto sem saída.
Tudo inquieto, sem saber prá onde vou.

Eu não vou precisar da sua culpa.
Eu não vou precisar da tua ajuda.
eu não vou precisar da tua vida.
Eu não vou precisar de terapia.

E as fórmulas mágicas na verdade não há.
Eu fui buscar refúgio onde não há.
Eu procurei amigos, não vou encontrar ninguém,
Só vou encontrar destruição.

Eu não vou precisar da sua culpa.
Eu não vou precisar da tua ajuda.
eu não vou precisar da tua vida.
Eu não vou precisar de terapia.

Eu olho prá mim mesmo:
-Não sei sentir medo, controlo os meus erros.
Olhando para o espelho, mas eu finjo assim mesmo.

E quando acaba sempre quero mais.
As flores estão murchas e eles regam mais.
Não vejo o que é real ou irreal.
Eu nem sei mesmo o que é irreal ou real…

Eu não vou precisar da sua culpa.
Eu não vou precisar da minha vida.
Eu não vou precisar de terapia.

(por Manay Deô, Heterônimo criativo de Elidio Santos.
Da obra Pior do que o Tédio: a cura para o seu)