Ninguém é de ferro

Me ensina a parar o tempo
E por um instante fazer tudo desaparecer
Me ensina os mínimos detalhes de todo universo 
Que existe dentro de seus olhos
E a forma e localização exata
De cada pinta de seu corpo
Me diz como faço para recriar o campo magnético 
Despertado naquele dia entre nós
Me conte qual a exata fórmula 
Das moléculas que nasceram quando nossos lábios se tocaram
Me diz como é possível
Que eu saiba que você sabe
O que eu quero
E que você saiba que eu sei
O que você quer
E ainda assim nossos mundos gravitarem em universos tão distantes
E ainda assim
Nosso encontro ter sido um acidente imprevisível 
E ainda assim
Que seja preciso acreditar que não significou nada
Moço não é justo que você tenha começado uma revolução em mim
E nunca terminado
Saiba que não é nada legal bagunçar as leis do universo dessa forma
E me deixar aqui sozinha para arrumar a bagunça levantada pela sua passagem
Saiba moço que eu preciso que você me ensine
Como quebrar essa muralha que surgiu entre nós
E caso você não saiba
Não tem problema
Se você quiser eu te ensino

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.