Jovem pergunta sobre o jovem rico

.

- Marcelo, tá aí?

- Tô aqui

- Marcelo, o que tu acha que Jesus quer dizer no Evangelho de hoje? Tipo, eu e tu, por exemplo, não somos riiiicos.

- Estou saindo do banco agora, e fiquei um pouquinho mais pobre. Vamos lá, nossas riquezas, a minha e a sua, não estão depositadas no Santander ou no Banrisul.

Nossas riquezas, são nossos tesouros. E nosso tesouro é onde está o nosso coração. Voltamos a aquela velha questão do apego. Veja a primeira leitura por exemplo. O profeta perde a esposa e não pode viver o seu luto. Nisso, ele experimenta a dor de Deus pelos nossos pecados. Deus que sente dor, Mas continua cuidando de nós, em meio a dor.

A nossa riqueza, às vezes, é um acordar tarde no domingo e passar o dia na cama vendo tv. E aí a gente oferta isso para ir carregar cadeira no Shalom.

Uma outra reflexão importante a se fazer, é comparar a atitude da viúva que deu a única moeda que tinha, com a atitude do jovem rico, Evangelho de hoje. É muito simples olhar e dizer que ela deu tudo, e ele não conseguiu dar nada. Pra quem tem apenas uma moeda, é muito fácil dar essa moeda apesar da falta que ela vai fazer.

Então, sou feliz por ser pobre. Porque o pouco que posso dar, me dói menos!

- Depois de ler mais algumas vezes me veio isso do apego.

- Veja, Jesus fez essa colocação o jovem rico porque conhecia o seu coração e já sabia da resposta negativa.

Pedro, não vendeu a barca porém colocou ela a serviço de Jesus. Pedro seguiu Jesus mas sua casa em Cafarnaum, tornou se casa de Jesus e dos discípulos sempre que ali estavam. Pedro não vendeu tudo e deu aos pobres, mas tudo que ele tinha colocou a serviço do Reino de Deus.

A gente não sabe como se seguiu a vida desse jovem rico. Talvez num outro momento ele tenha se convertido. O Evangelho somente narra aquele primeiro instante, aquela primeira conversa.

Que nosso coração seja aberto aos chamados do Senhor. Rezemos pelas vocações!