Eu.

No inicio de minha juventude, enfrentei os primeiros problemas sociais que a vida nos submete,a razão no entanto, varia de pessoa para pessoa, no meu caso foi apenas consequência da minha ânsia por crescer, mas não intelectualmente,o que na qual me deixa até constrangida, mas sim crescer aos olhos das pessoas ao meu redor,refletir uma imagem de quem já não era uma criança, sendo que eu não passava disso.E posso dizer que eu o fiz incorretamente, não sabia qual caminho seguir e quais conselhos ouvir, o que me deixou desnorteada em meio tamanho problema, eu não tinha nenhum conhecimento de como enfrentar os desafios da vida, por mais que eu já tivesse experimentado outras dificuldades na minha infância, nenhuma delas se assemelhara a aquele.E errei.

Errei uma, errei duas, o que me fez temer cometer outros erros, que só me traziam desgostos. Nisso, passei a usufruir minha própria companhia, admito que, de inicio, a exclusividade da minha presença não bastava, mas com o tempo, aprendi a moldá-la da maneira que mais me agradava e, desde então, ela passou a se tornar minha companhia preferida.

Nesse meio tempo, pude compreender como foi necessário pra mim todas essas situações, cada erro e cada acerto moldaram a minha personalidade atual; o tempo que eu passava solitária foi essencial para que eu pudesse enxergar além do meu corpo, pude compreender meus medos e defeitos, meus pontos a serem melhorados e com isso me tornei a pessoa que sou hoje, de certo não sou perfeita e nem pretendo alcançar a plena perfeição humana, mas sempre pensei que, se há pontos a serem melhorados, por que não fazê-los?E é isso que tento fazer até hoje.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.