A ansiedade que me anseia

Ansiedade é uma coisa realmente muito doida. Quem é ansioso sabe como é viver em uma montanha russa que sobe, e desce, e sobe e… despenca. Ansiedade paralisa e quem nunca sentiu isso, com certeza já ouviu falar. Uma pena que as pessoas ainda não conseguem dar a devida atenção ao problemão que é viver ansioso. Tanta gente ainda acha que estar ansioso é roer as unhas. Quando na verdade, é ver ruir a alma.

Eu sou ansiosa, mas acho que cheguei ao meu maior nível de ansiedade em pouco mais de três décadas. O que sinto hoje, poderia definir assim: imagine que você está com muita vontade de tomar sorvete. Aí vem alguém e coloca um sorvete na sua mão. Quando você vai dar a primeira lambida, a pessoa tira da sua mão e leva pra longe. Aí, quando você começa a se acostumar com a ideia de que não, você não vai tomar sorvete, a pessoa volta e coloca aquele bendito picolé de novo na sua mão e… tira! Repita isso num looping. É assim que a minha ansiedade me faz sentir.

Amanhã ela pode me provocar de outras formas. Cada dia é um dia diferente dentro da mesma cena que se tornou comum. Parece dúbio, mas é assim mesmo que é. Dúbio. E sabe o que essa indefinição me causa? Ansiedade. Então…