15 Coisas que você NÃO precisa saber antes dos 25 anos

Quando você joga “25 coisas antes dos 25 anos” no Google, mais de 25 mil resultados aparecem para te assombrar. Listas e mais listas com coisas que você já fez; não fez, mas se arrepende; fez e gostaria de não ter feito e não fez, mas não tem a menor vontade de fazer.

Parece que sempre tem alguém pronto pra te dizer o melhor jeito de aproveitar sua própria vida…

Apesar de achar isso meio bizarro, hoje é meu aniversário de 25 anos e eu decidi fazer uma lista de 15 coisas que eu descobri nesse um quarto de século. Coisas que ninguém tem obrigação nenhuma de aprender, concordar ou fazer igual, mas que eu gostaria de compartilhar mesmo assim.

É um jeitinho meio doido de olhar pra trás, agradecer e comemorar esses anos de vida que, olha, com altos e baixos, perdas e ganhos, erros e acertos foram de uma lindeza só!

Bora lá?

1. Você não precisa ser o que os outros dizem que você é
Basta nascer pra começarem a te rotular. “Nossa, ela é tão estudiosa”, “Mas como parece a tia fulana, né?”, “Olha como ela cuida do gatinho! Será que vai ser veterinária?”. Aí você cresce acreditando nessas coisas e esquece de simplesmente olhar pra dentro. Melhor do que abraçar a narrativa que outros pensaram pra você é escrever a sua própria história. Demorei uns 22 anos pra sacar isso, mas que bom que percebi a tempo. Hoje, papel e caneta estão na minha mão.

2. Futuro e ansiedade são melhores amigos
Plano de carreira, previdência privada, consórcio, pós-graduação, mestrado, doutorado… a lista de coisas que colocam nas nossas costas assim que terminamos a faculdade é infinita. A todo tempo nos cobram resultados ou, no mínimo, um plano fechado para os próximos 10 anos. A gente vive esperando a virada, o momento em que as coisas vão andar, as surpresas que o futuro reserva e, nessa ânsia de estar a frente, acabamos deixando os pequenos momentos e prazeres pra trás. Deixa eu te contar uma coisa? O café que você pode tomar agora é muito melhor do que todas as coisas que você pretende fazer semana que vem. Planeje o futuro, mas não abra mão de saborear o café.

3. O medo de errar é venenoso
Ninguém fala quantos protótipos o Steve Jobs teve que fazer antes de lançar o iPhone. Ninguém compartilha aquele belo não que recebeu no processo seletivo do treinee. Ninguém divide os momentos em que se sente uma farsa. Como a gente é trouxa e mede o sucesso por comparação, quando as coisas não saem como planejamos, nos sentimos um fracasso, o que está perigosamente perto de parar de colocar a cara a tapa com medo de se sentir assim. As pessoas mais interessantes que eu conheço se expõe diariamente ao risco de parecerem ridículas. Espero ter essa coragem um dia.

4. Saber recomeçar é mais importante que acertar
Errar todo mundo erra, é uma parte inseparável de tentar fazer algo genuinamente novo. O que vai te definir como profissional e ser humano não é isso. É não ter medo de jogar fora uma ideia e abraçar o desafio de uma folha em branco, na tentativa de fazer sempre mais e melhor.

5. Fazer dieta não funciona, comer bem sim
Dos 15 aos 24 anos de idade vivi em uma paz armada com o meu corpo. Este ano, decidi fazer duas coisas: parar de me pesar e deixar de fazer dieta. Queria construir uma nova relação com a comida, com menos culpa e mais consciência. Ainda estou engatinhando nisso, mas nunca me senti tão bem e saudável e, de quebra, ainda diminui um número de calça.

6. O corpo é meu
O que significa que eu como e bebo o que eu quero, uso as roupas que me convém, me depilo quando tenho vontade e mando pastar qualquer um que encoste em mim sem o meu consentimento. É duro pensar que eu precisei de anos pra me dar conta disso — ser mulher não é fácil — mas antes tarde do que nunca, né?

7. Ter um hobby é fundamental
O Flamenco é um relicário na minha vida. Um lugar pra onde posso fugir para lembrar que não existe profissão, relacionamento ou decisão que me defina. Ter esse lembrete é o que faz com que eu me sinta livre o suficiente para mudar de rumo sempre que for necessário.

8. Você nunca se arrepende de investir em experiências
Sabe aquele show incrível que tá meio salgado? Aquele restaurante especial que você gostaria de conhecer, mas sempre deixa pro mês seguinte? A viagem dos sonhos que suas amigas estão planejando e você acha que não vai ter grana pra colar junto? Vai fundo. E vai sem medo. Investir em experiências nunca gera arrependimento e dinheiro sempre aparece.

9. Todo mundo deveria se dar uma viagem sozinho de presente
Mesmo. Ir para um lugar porque você quer, para fazer coisas que despertam seu interesse e se reconectar com a sua identidade é um gesto de amor com você mesmo. E quem se ama, ama melhor.

10. Relacionamentos exigem tanto cuidado quanto uma planta
Não dá pra querer ter manjericão fresco e esquecer de regar a horta. Não dá pra querer ter amigos na hora do aperto e não tirar uns minutinhos da semana pra saber como eles estão. Simples assim.

11. Amor nunca sobra e dura pra sempre
Do primeiro namorado aos casos mais passageiros, dos amigos de infância aos colegas de trabalho, das paixões concretizadas aos desejos mais platônicos, se foi amor, está comigo até hoje. Pode ter se transformando com o tempo e mudado de forma, mas continua aqui. Não adianta. Pra mim, não existe amor passado. É tudo presente e nunca vai ser demais.

12. Todo mundo tem uma história
Sabe aquela pessoa meio maluca que te estressa? Ou aquele colega de trabalho que te trata mal? Então, ninguém fica assim por acaso. Todo mundo tem uma história e, as vezes, tentar entender não custa nada. Acolher as diferenças diminui a raiva, amplia as energias positivas ao seu redor e pode ser algo transformador, tanto pra você, como pra quem está na outra ponta.

13. Existe algo em comum entre todos os seres
Já tentou olhar dentro dos seus próprios olhos no espelho? Se não, experimenta. Cinco minutos olhando pra dentro e você vai perceber que existe uma essência, uma energia vital compartilhada por todos nós. O que nos separa é superficial e chega a ser insignificante perto do que temos em comum.

14. Eu não sou, eu estou
Todo o dia a gente muda um pouquinho, mas, por algum motivo que eu não sei explicar, as pessoas exigem que nossos sonhos e projetos permaneçam intocados. Por incrível que pareça, muita gente acha que eu entrei na Faculdade de Direito porque fui obrigada pelos meus pais, o que não é verdade. Cinco anos atrás eu estava advogada. Hoje, eu estou redatora. Amanhã eu posso estar outra coisa e tudo bem. O importante é ser fiel à minha essência e colocar o que eu tenho de melhor nas coisas que eu faço. Meu senso de realização vem disso e não de um título.

15. O tempo é muito relativo diante da eternidade
Tenho um casaco de lã que foi do meu avô materno. Todas as vezes que o coloco, lembro da elegância e leveza que ele tinha e das músicas que ele fazia para os netos. Detalhe: eu nunca conheci o meu avô. Todas as memórias que tenho dele são, na verdade, relatos que ouvi de outras pessoas. Para mim, isso é a prova máxima de que algumas coisas duram para sempre, ou pelo menos se propagam por muitas gerações. Tratar as pessoas de um jeito amoroso e gentil, cultivar as relações, irradiar amor… tudo isso se propaga no tempo, mas, mesmo assim, escolhemos nos apegar ao que é efêmero.Vai entender… A pergunta que fica é: com o que você quer gastar seu tempo? Com o que vai embora ou o que dura para sempre?

Like this:

Like Loading…

Related


Originally published at misteriodoplaneta.com on June 2, 2015.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.