Foi uma jogada arriscada, mas muito menos desesperada que de seus companheiros. São famosas as histórias de blueseiros que foram tentar a sorte em Chicago tendo apenas seu violão e alguns trocados no bolso. Com Wolf a história foi diferente, já que ele era bem sucedido em seu local de nascimento — tanto que passaria anos dizendo que “fui o único blueseiro que deixou o Delta dirigindo um carro próprio”.
Sábado de Blues: Howlin’ Wolf: os uivos raivosos do blues
Rob Gordon
151

Diz a lenda que Wolf não bebia e não jogava. Com isso conseguiu juntar uma boa grana, ao contrário dos outros blueseiros do Delta

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Marcelo Pedruzzi Ferranti’s story.