Tu és minha paixão

Há uma expressão muito utilizada hoje em dia que representa bem o que vivo neste momento: “não é só futebol”.

Desde domingo, eu — para alguns um doente e alienado — me sinto triste e responsável pelo momento terrível pelo qual o Sport Club Internacional está passando. É como se eu tivesse a obrigação de ter feito algo que pudesse mudar o caminho que levou o clube ao trágico rebaixamento.

E se eu chorei no melhor dia da história do Inter, quando ganhou o Mundial de Clubes de 2006, não haveria como não chorar agora.

No sábado, fui ao Beira-Rio, que estava aberto aos torcedores devido às eleições para presidência e conselho. Aproveitei para ficar um tempo sentado no campo para pensar sobre o meu vínculo com o clube e orar pelo melhor. Tinha feito algo parecido antes da decisão contra o Barcelona há uma década. Desta vez não deu certo, mas farei outras vezes, com certeza.

2016 conseguiu ser pior que os anos 1990. Naquela época, todo campeonato brasileiro era uma tristeza. O clube tinha uma gestão autoritária, era desorganizado demais e vivia permanentemente em crise financeira. Só a torcida apaixonada se salvava daquela ronha toda.

Passados os anos, vieram as vitórias. Porém, nos últimos tempos os problemas noventistas foram revividos e até superados. Não só a pior gestão de futebol da história do colorado, mas também a cultura de soberba que tomou conta da instituição e de sua torcida foram responsáveis pela queda.

Confesso que já algum tempo tinha a impressão de que algo ruim iria acontecer, mas preferi não pensar nisso. Tudo era bem parecido com o período anterior aos dois rebaixamentos ocorridos com o Grêmio, por exemplo. E é aí que me refiro. Poderia eu, um simples sócio, ter alertado aos demais sobre isso? Hoje, penso que deveria ter tentado.

Agora não há mais o que fazer. Só nos resta reerguer o clube. E como ajudar? Em 2017, estarei no Beira-Rio com a camisa vermelha, com minha torcida e minha paixão. Recomeçaremos e transformaremos, juntos, o colorado em um clube mais forte. Te amo, Inter!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.