Mapa != Território

A primeira certezinha, (prefiro chamar assim pq a gente vê por ai tanta gente com tantas certezas absolutas de que a gente discorda, que eu não posso me apegar a nenhuma das minhas certezas, tenho que estar sempre disposto a trocar ela por uma melhor, tipo um caranguejo que troca de concha quando cresce), é que mapa não é território.

E isso tem totalmente a ver com o que eu descrevi entre esses parênteses. Sabemos que existe um mundo de coisas em volta de nós, pq nós podemos perceber essas coisas, mas a gente vem a conhecer essas coisas através de nossos aparelhos sensórios. E todas essas informações são processadas por um cérebro cheio de limitações, obnubilações, preconceitos, humores, pré-disposições, sono, raiva… De maneira geral só o que a gente tem são dados coletados parcialmente e processados por um processador biológico totalmente inconsistente.

Podemos concluir facilmente que tudo aquilo que conhecemos é subjetividade. Tudo aquilo que chamamos de “mundo exterior” são objetos de modelar que criamos com nossa mente de argila. Tudo é apenas uma representação.

Em suma: aquilo que você entende como flor não existe. Você tem uma imagem, uma memória tátil e um cheiro na sua mente, mas não uma flor.

Cada um pinta aquilo que pode nas telas de sua mente.

Like what you read? Give Marcel Romero a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.