Para eu cultivar a empatia, eu preciso ser uma pessoa empática!

Pensamento Visual por Marcely Santos

Quando pensamos o que é ser uma pessoa empática, o que vem a nossa mente é: “aquela que se coloca no lugar do outro”. Infelizmente sabemos que é um pouco diferente na hora de colocar a empatia em prática. Concordam?

Não é fácil sentir empatia por pessoas que não gostamos, que nos fizeram mal, ou simplesmente sentir o que o outro sente, mas muitas vezes é necessário. Vivemos em comunidades e em um mundo tão egoísta, repleto de pessoas preocupadas em se autoproteger, voltadas para seus próprios fins individualistas, onde julgar e não compreender é o mais comum.

Hoje na minha vida assumi alguns papéis, tanto na vida pessoal quanto profissional, que preciso formar e cuidar de pessoas: mãe, professora, coach, gerente de projetos. Que responsabilidade! E nessa jornada percebo que cultivar o não julgamento, o não compreender, o se colocar no lugar do outro é um grande desafio para viver em comunidade. E entendo que para que eu possa fazer isso de uma forma efetiva, eu preciso se uma pessoa que também pratique a empatia. Preciso liderar através de exemplos.

E tudo isso é possível sim! A empatia é um processo consciente, mas precisa de esforço!

Krznaric (2014) em seu livro "O Poder da Empatia — A Arte de Se Colocar No Lugar do Outro Para Transformar o Mundo", comenta que nós seres humanos somos Homo empathicus — somos pessoas fisicamente equipadas para sentir empatia. Ele defende que podemos tornar algumas atitudes e práticas diárias como hábitos estimulando alguns circuitos empáticos em nosso cérebro.

krznaric (2014) cita, em seu livro, que cada um de nós deveríamos desenvolver seis hábitos de pessoas extremamente empáticas o melhor que pudermos. Eu tenho aplicado, faz todo sentido, mas ainda acredito que sou uma aprendiz, estou em constante evolução.

Hábito 1: Acione seu cérebro empático

Mudar nossas estruturas mentais para reconhecer que a empatia está no cerne da natureza humana e pode ser expandida ao longo de nossas vidas. (Krznaric, 2014)

Eu sempre fui uma pessoa que gostou de estudar sobre pessoas. Mas desde a minha formação em Coach eu só aprimorei meus estudos e meu entendimento sobre elas e seus comportamentos para me tornar uma pessoa melhor e tentar fazer o meu melhor em todos os papéis que possuo. Então, para ajudar a mudar estas estruturas mentais leia sobre empatia, estude, participe de grupos de discussões, gere essa reflexão!

Hábito 2: Dê o salto imaginativo

Fazer um esforço consciente para colocar-se no lugar de outras pessoas — inclusive no de nossos "inimigos" — para reconhecer sua humanidade, individualidade e perspectivas. (Krznaric, 2014)

Sim, é um exercício e um esforço super consciente. Quantas vezes alunos, por exemplo, já tiveram reações comigo que me chatearam por alguma reprovação, uma nota ruim, o não recebimento de um trabalho no prazo. Perdi a conta! Se eu fosse agir pelo impulso, julgá-los, eu poderia ter reações mais enérgicas pela autoridade que eu detinha no momento. E tudo poderia ficar pior. Trabalhar essa consciência, compreendê-los, ouví-los foi essencial!

Hábito 3: Busque aventuras experienciais

Explorar vidas e culturas diferentes das nossas por meio de imersão direta, viagem empática e cooperação social. (Krznaric, 2014)

Saia da sua zona de conforto, saia do ambiente que você acredita que é seguro apenas para você, do que faz sentido apenas para você, do que faz parte apenas da sua realidade, permita-se viver a experiência do outro. Uma das coisas que sempre me preocupo nos encontros com o meu time, por exemplo, é se o lugar que vamos escolher para os nossos team outings faz sentido para todos. E que se houver conflitos, é importante incentivar que em algum momento, vamos precisar ceder e nos permitir viver a experiência do outro. O objetivo é confraternizar!

Hábito 4: Pratique a arte da conversação

Incentivar a curiosidade por estranhos e a escuta radical, e tirar nossas máscaras emocionais. (Krznaric, 2014)

Nos travamos completamente quando não conhecemos a outra pessoa. E imagine que a outra pessoa também quando não nos conhece. Alguém precisa quebrar esse gelo. Quando estamos nesse processo consciente tudo se torna mais emocionante. Uma coisa muito legal que eu sempre tento fazer sempre que chega uma pessoa nova no trabalho é ir conhecê-la. Me apresentar, quebrar o gelo, perguntar de onde ela é, de onde veio, dizer que ela é bem vinda, perguntar se ela está precisando de algo, oferecer algo. Para aquela pessoa tudo é novo: ambiente, pessoas, e sempre tento imaginar como me senti naquele momento quando foi a minha vez e o quanto foi bom ter tido pessoas que me receberam assim também.

Hábito 5: Viaje em sua poltrona

Transportarmo-nos para as mentes de outras pessoas com a ajuda da arte, da literatura, do cinema e das redes sociais na internet. (Krznaric, 2014)

Poxa, quando você liga o hábito 1, viajar para a mente de outras pessoas através da arte, filmes, livros, etc..todos eles ficam muito melhores ou mais decepcionantes. Já vi filmes mais de uma vez e como a segunda impressão foi completamente diferente quando você liga a chave da empatia. Procurando filmes sobre diversidade, achei esse link do Blog Diário da Mãe de Alice com 63 filmes sobre diversidade e inclusão: http://bit.ly/2tR3AEl Fica a dica! :)

Hábito 6: Inspire uma revolução

Gerar empatia numa escala de massa para promover mudança social e estender nossas habilidades empáticas para abraçar a natureza. (Krznaric, 2014)

Isso para mim é cultivar a empatia. Acho que devemos fazer todos os dias, com todos ao nosso redor. São pequenos cuidados: é estimular, é dar exemplos, é trazer para a reflexão, é evitar o julgamento, é ouvir na essência, é aceitar que as pessoas podem errar. Podemos começar pequeno, mas acredito que juntos podemos fazer mais. Nenhuma revolução é feita sozinho, juntos sempre somos mais fortes.

Segundo Roman Krznaric esses hábitos podem mudar o nosso dia a dia, como pensamos, sentimos e o que fazemos. Se colocar no lugar do outro é entender seus motivos, aspirações, crenças e compreender o próximo se tornará algo até mais interessante que nós mesmos! ❤

"A capacidade de empatizar é um dos maiores talentos ocultos que quase todo ser humano possui." (Roman Krznaric)

Então, vamos colocá-la em prática!

Afinal,

"Poderia haver maior milagre do que olharmos com os olhos do outro por um instante?" Henry David Thoureau

Referências:

  • Krznaric, Roman. O poder da empatia. A arte de se colocar no lugar do outro para transformar o mundo, 2014.
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Marcely Santos’s story.