{Dica de livro} A Mulher que Escreveu a Bíblia

Em 2009 participei de um workshop de crônicas ministrado pelo saudoso escritor Moacyr Scliar (1937–2011). Na época, comprei o livro “A mulher que escreveu a Bíblia”, para que ele autografasse. Desde então, guardo este livro com muito carinho.

Porém, apesar de todo o carinho e de tantas pessoas me dizendo o quanto ele era bom, o livro acabou ficando aqui quietinho na minha estante, vendo muitos outros furarem a fila. A paciência é uma virtude, deve ter pensado o livro (sim, os livros da minha estante pensam). E assim, alguns anos depois, chegou o dia dele.

O livro conta a história de uma mulher anônima que, ao fazer terapia de regressão com um charlatão, “descobre” que, em outra vida, foi uma das setecentas esposas do Rei Salomão — a mais feia, porém, a única que sabia ler e escrever. A partir daí, acompanhamos o relato que ela faz de sua vida no reinado de Salomão, que, quando descobriu que a mulher era letrada, atribuiu-lhe a tarefa de escrever um livro contando a história da humanidade.

Logo nas primeiras páginas, meu pensamento foi: “Por que eu não li esse livro antes??” A prosa de Moacyr Scliar é bem-humorada, misturando, no relato da mulher, a linguagem formal e a escrachada. Ri do início ao fim. Bom demais!

É um livro pequeno, tem apenas 162 páginas. E essa edição é de bolso, então dá pra carregar pra todo canto e se divertir onde quiser. Recomendo muito!


Trecho:

“Num gesto brusco, arranquei o véu e expus minha cara.
 Estremeceu. Como o sacerdote que antes me examinara: estremeceu de espanto — de espanto, de horror, de tudo. Não conseguiu se controlar — a expressão de seu rosto traduzia claramente o que estava pensando, a mesma coisa que todos ali pensavam: Deus, o que é isso aí, o que é essa cara, essa mulher não pode ter sido destinada ao harém real, deve ter havido algum engano. Conteve-se, porém. Afinal, ninguém chega a ser monarca poderoso sem um mínimo de habilidade política.”