A Moral no Terror

Quando criança a liberdade que eu tinha para ver a programação na TV era quase que total, e pelo que me lembro uma das coisas mais marcantes foram as séries e filmes de terror.

Essa ligação entre a lição de moral e o gênero terror é resultante das pesquisas e conteúdo que consumi durante um longo tempo. Quando fui atrás dessas séries fiquei surpreso ao rever e constatar, agora com uma visão diferente devido a passagem do tempo e o intelecto mais aprimorado, que o terror era apenas um condutor para ensinar algo que nunca passou pela minha cabeça: a moral em resultado das ações e suas consequências.

Night Visions

Apesar de ter encontrado outras outras séries nessa busca ao terror, uma vez perdido, encontrei mais do que imaginaria. Colocando em uma ordem de lembranças vou começar por uma chamada Night Visions que passou no SBT. Se me lembro bem elas eram transmitidas nas madrugadas de domingo. Fiquei surpreso ao descobrir que esta série era baseada em outras, que por acaso também vou mostrar aqui.

Na época eu era apenas um garoto que gostava de assistir filmes de terror, mesmo sabendo que qualquer barulho a noite seria aquela criatura que acabaria saindo do escuro pra me atacar. Night Visions me mostrou o que é medo e terror através de contos, em uma realidade fictícia nada agradável, mas, tentadora ao pensamento. E se for verdade? E se for real?

Tive a oportunidade de assistir novamente depois de tanto tempo e a visão que tenho agora é totalmente diferente. O medo já se tornou outra coisa, assim como o terror do que vem do imaginário. Ambos ainda existem mas de uma outra forma. O ponto crucial que me fez escrever esse artigo foi o twist psicológico e o “dever” de passar algum tipo de lição de vida — uma moral. Aquilo que você não aprendeu em casa que o seu pai e sua mãe não lhe ensinou, ou se ensinou, você não aprendeu direito e talvez pague caro por isso.

Night Visions não possui monstros horríveis ou criaturas amedrontadoras. Foi interessante, revelador talvez, notar que nós somos o monstro, a criatura escondida na escuridão, o real terror. Um dos episódios mais intrigantes que assisti foi o intitulado Patterns (padrões), que conta a história de um psiquiatra que recebe um paciente um tanto esquisito e talvez maluco no que diz respeito ao seu diagnóstico. Esse paciente possui algo como “tiques nervosos”, que, se parar por um momento de executá-los o mundo pode conhecer o seu fim! É insano não é? Pois foi o que pensei na hora. Mas processando na cachola o episódio pensei comigo mesmo: “Talvez ele não seja tão louco assim”.

A lição passada em Night Visions é direto ao ponto, onde o suspense e plot twist andam juntos mas deixam a desejar em alguns episódios, assim como as frases de efeito no final do mesmo, que nem sempre faz sentido ou condiz com o que foi visto em cena, aliás, o apresentador é um acessório a parte, um cara musculoso de preto e com tatuagens, que não convence ou passa um mínimo de terror.

Clube do Terror

Quem tem medo do escuro? Sim, é uma pergunta, mas também é um nome de uma séria conhecida no Brasil por Clube do Terror (Acredito que assisti essa muito antes de Night Visions). Recordo pouco, mas tive que assistir alguns episódios, tanto pra lembrar quanto pra contar o que cada uma dessas séries tem de especial. Pelo que me lembro série passava na Band e na época dava muito medo, mas hoje, pelo que experimentei, vale pelo fator nostálgico, chega até ser engraçado ou mesmo sem graça um episódio aqui ou ali.

Nessa série você tem um grupo de adolescentes que se reúne em um acampamento meio improvisado na floresta. Sentados próximo à fogueira cada um apresenta um conto e como um ritual eles dizem: “Submetida à aprovação da Sociedade da Meia-noite, chamo a esta história…” e a história se inicia. Vale ressaltar que aqui monstros e criaturas horrendas são bem vindas. Sabendo que estes adolescentes por meio das histórias contadas querem deixar na sua memória, e na deles, qual tipo de coisas existem na escuridão.

E o ensinamento? Bem… o ensinamento não é muito importante aqui, se é que há algum, a contar que a série não era bem para um público mais adulto. Aqui eles estão ligados pela amizade e a jura da sociedade (coisas da infância) à que pertencem. Resultado disso é o que acontece antes e após cada conto. Eles vivem sua vidas, tem seus problemas, momentos bons e ruins, que afetam de alguma forma o enredo da história. Os episódios são uma mistura de lendas e contos, possuindo suas alterações, aquele toque especial da série.

Contos da Cripta & Creepshow

Bem, aqui eu vou juntar uma série e um filme (na verdade são dois filmes e uma sequência não oficial). A a série me marcou pelo início e o filme foi resultado das minhas pesquisas. Me surpreendi quando descobri que os dois tem uma relação.

Contos da Cripta me marcou pelo começo do episódio, quando a caveira da imagem acima saia do túmulo e dava susto em quem estivesse assistindo. Ao ver novamente (não consegui assistir todos episódios ainda) percebi que aquele susto no começo ainda tá valendo. Também não fazia ideia da origem da série que foi adaptada de uma revista em quadrinhos de mesmo nome. Fato é que não tenho recordação de muita coisa, fora o que foi dito anteriormente, o que posso afirmar é que, aqui temos um conteúdo mais adulto, com um teor de humor negro muito bem aplicado. Um exemplo é o episódio “O Homem que era a Morte”, onde você acompanha na perspectiva do personagem principal — que trabalha em uma prisão, puxando a alavanca na execução por cadeira elétrica — que de certa forma não seria bem o mocinho da história. O ponto de vista aqui, na minha opinião, é a alma do episódio.

Creepshow me surpreendeu no terror com histórias bem características e com uma pitada de humor. Eu não assisti os três filmes. Na verdade lembro de assistir somente o segundo filme que pra mim foi o melhor. Vale ressaltar que o terceiro filme não é uma sequência oficial, e não teve os dedos de Stephen King e George Romero (que roteirizaram e dirigiram o primeiro e segundo filme).

A segunda história é a melhor (talvez porque tenha sido escrita por Stephen King), que conta sobre um grupo de estudantes universitários que foram nadar e um lago longe de qualquer ser de alma viva. Típico enredo que pôde ser visto, por exemplo, em A Cabana na Floresta. A história pra é muito boa e por si só já valeria um filme à parte.

Entre cada história se segue um pano de fundo. Um garoto chamado Billy que causa confusões por uma revista em quadrinhos chamada “Creepshow”. Seu pai nada satisfeito com esse “lixo”, joga a revista e ao ser folheada pelo vento, as histórias mostradas no filme se seguem. As interrupções entre elas acabam formando mais uma história que não deixa a desejar.

O filme mostra do que era o terror de antigamente, enquanto a série mostra um outro lado do terror mais satírico pelo lado tanto dos protagonistas como do apresentador esquelético. Ambos possuem uma visão um pouco deturpada de como corrigir as coisas, dar um jeito no que não tem mais jeito.

Além da Imaginação (The Twilight Zone)

Por ultimo, a série que mais me surpreendeu. Lembro que quando encontrei, passei quase o dia todo assistindo os episódios, sem intervalos, quer dizer, apenas para ir ao banheiro e pegar mais uma caneca de café.

Olhando para o passado da série, existe um histórico imenso que só fui notar depois. Não me lembro que palavras usei nas minhas buscas, mas quando fui verificar outros resultados havia alguns episódios em preto e branco com o nome de Twilight Zone, mas antes de chegar aí nesse ponto, vamos continuar no começo.

Em Além da Imaginação, as histórias possuem os mesmos temas das outras séries, mas o que mais fica claro é o uso do tema ficção científica na maioria dos episódios. Deve ser esse o motivo da série ter me magnetizado a ela. Esse é um tema na qual sou fascinado. Aliado a ótima produção (opinião minha), eu mergulhei em cada episódio, suas teorias e conclusões um tanto poéticas.

Eu poderia listar todos os episódios da continuação de 2002 e falar de cada um, foi a única que assisti completa, apesar de ter visto vários episódios das outras continuações. O episódio que mais marcou minha não tão volátil memória foi o Nos Olhos de Quem Vê. Esse episódio é um remake do original, mas não vi o mesmo para confirmar se há diferenças. Talvez não tenha, já que eu assisti vários episódios das temporadas antigas e o tempo só os fez melhor.

Bom, no episódio que citei uma mulher busca, incansavelmente, ter a beleza ideal, coisa que a sociedade em que ela vive a força de maneira que a mesma passa por várias cirurgias e não há efeito algum. Desesperada, os médicos tentam uma ultima vez, e agora ela aguarda, até o momento que poderá ter as ataduras removidas para ver o resultado final… E esse é o episódio. Um emblemático problema que poderia ser encaixado em qualquer situação, acredito eu.

Ensinar alguma coisa aqui é arriscado demais, mas esse risco eu tive que correr. Falar de séries ou filmes e gêneros de terror, ficção científica ou suspense, seja qual for, aprender uma lição de vida, extrair algo de útil é querer demais talvez. Ter medo faz de nós o que realmente somos. Sei que existem pessoas que não possuem medo, é comprovado cientificamente perante toda verdade e estudos que eu não faço ideia de como funcionam.

Se imagine sem medo. Que sentido faria buscar algum aprendizado no medo? Sem esse fator, todo o resto seria possível. Fugimos do medo porque sabemos que não há uma bondade nisso. Na verdade, quem tem medo pode ser bom, pois se tem medo, não comete erros pelo mesmo motivo. Claro, quando usamos a lei os erros podem ser um infinito de possibilidades.

E o terror? o que há de bom nele? Será que é possível aprender com o terror? Eu aprendi que sim. Não pelo fato do gênero terror, mas pelo que foi injetado nele como ação e reação, em um enredo elaborado e bem feito. Como o próprio nome da série diz, além da imaginação podem acontecer coisas incríveis e inimagináveis. Exemplos que servem de lição para aqueles que buscam o desconhecido procurando entender a si próprios nesse espelho da alma do além.

Fontes sobre as séries:

Creepshow — https://pt.wikipedia.org/wiki/Creepshow

Night Visions — https://pt.wikipedia.org/wiki/Night_Visions_(s%C3%A9rie_de_televis%C3%A3o)

Are You Afraid of the Dark? — https://pt.wikipedia.org/wiki/Are_You_Afraid_of_the_Dark%3F_(teless%C3%A9rie)

Tales from the Crypt — https://pt.wikipedia.org/wiki/Tales_from_the_Crypt

The Twilight Zone — https://pt.wikipedia.org/wiki/The_Twilight_Zone