Passos de dança

Dançávamos tanto que a dança do tempo, um tanto descompassada, não nos podia alcançar

Dançávamos tanto, e o tempo passava, e ninguém se importava de vê-lo passar.

E passávamos tanto os mesmos passos de dança, com a mesma esperança de quem vive a dançar.

Dançávamos tanto, com tanta força e encanto, que o mundo parava só para nos ver girar.

Girávamos tanto que a cada volta, um abraço no mundo poderíamos dar.

Like what you read? Give Márcio Viana a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.