Aula Sem Paredes ensina jornalismo na prática

Professor Marcio Gonçalves, ao lado da jornalista Luciane Farias, do canal Na Bancada, no Youtube, conduzem as atividades com as estudantes.

Quando um professor se propõe quebrar modelos instaurados nas instituições de ensino, das duas uma: é taxado como inovador ou os próprios pares da academia o rejeitam. Eu prefiro acreditar em outras possibilidades.

Com Marshall McLuhan, autor canadense já mencionado em outros textos por aqui, não foi diferente. “A década de 60 foi marcada pela polêmica e admiração que o pensamento de McLuhan causou. Porém, vale destacar: polêmicas lamentavelmente contaminadas por dicotomias (favor/contra; certo/errado; integrado/apocalíptico; esquerda/direita e assim por diante), favorecendo uma defesa da posição política defendida, em detrimento do conhecimento aprofundado, do conteúdo apresentado pelo autor canadense”, atesta a Introdução do livro 100 anos de McLuhan.

É por isso que tenho orgulho de promover aulas que transponham o limite da sala de aula. Da turma da foto acima, somente a Luciane Farias, ao meu lado, já possui formação em nível superior. As demais são alunas calouras do curso de jornalismo da Facha. Pela primeira vez estiveram em um evento de marketing digital. E nem foi para ficarem como ouvintes. Estavam lá para colocar a mão na massa mesmo. Atuaram como repórteres do projeto Aula Sem Paredes produzindo conteúdo para todas as mídias sociais.

À parte das críticas, preferimos concordar com Gilles Deleuze quando o mesmo diz que para ele, uma aula não tem como objetivo ser entendida totalmente. Uma aula é uma espécie de matéria em movimento.

Por isso é que iniciei com Aulas Sem Paredes sem data para parar, mas com caminhos bem determinados de aonde quero chegar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.