“Quer manter seu negocio vivo e competitivo? Então preste atenção nessas 7 Dicas para inovar seguindo a metodologia das Startups”

Além da concorrência tradicional que está cada vez mais acirrada com a oferta de produtos e serviços em todos os mercados e setores, precisamos nos preparar para sermos competitivos em uma era em que jovens empreendedores com DNA de inovação e Startups enxutas estão mudando completamente a forma de como fazemos negócios e consumimos produtos e serviços.

Há diversos exemplos emblemáticos de empresas que ficaram pelo caminho como a americana Blockbuster engolida pela NetFlix, Marriot a maior rede de hotéis do mundo com 19 bandeiras, 5.700 propriedades e mais de 1 milhão de apartamentos que luta atualmente para competir com o AirBnb que mesmo sem possuir nenhuma propriedade ou ações na bolsa, está avaliado em 24 bilhões de dólares, mais de um terço acima da centenária rede de hotéis.

Estamos vivendo a era da inovação radical que será praticamente como a 4º revolução industrial. Novas tecnologias como a internet das coisas (iOT) e a inteligência artificial (AI) já trazem expressivos ganhos de produtividade e uma grande redução de custos nas mais diversas áreas. O pensamento enxuto, ágil e menos burocrático devem ser como um mantra nas companhias fazendo parte da rotina diária de todos os executivos se quiserem sobreviver e perdurar com seus negócios diante das mudanças tecnológicas.

O Maior erro é não se mover! De acordo com um estudo da consultoria americana McKinsey, a probabilidade de uma companhia perder a liderança de mercado em menos de cinco anos é o dobro da observada a 20 anos atrás.

Recentemente observamos mais duas grandes perdas de liderança em setores tradicionais como o automotivo e varejo. A Tesla, Startup criada em 2003 pelo visionário Elon Musk com o propósito em lançar um veículo elétrico capaz de rodar 500 quilômetros sem abastecer, superou em agosto de 2017 a GM (General Motors) em 10% com o valor de mercado de 51 bilhões de dólares. A varejista online Amazon criada por Jeff Bezos em 1994 atingiu o valor de 480 bilhões de dólares, o dobro do valor da sexagenária e tradicional rede de varejo Walmart dona de 11.695 lojas espalhadas por todo o mundo.

Quer manter seu negócio vivo e torná-lo competitivo? Então preste atenção nestas 7 dicas.

1. Comece inovando na gestão de TI da sua empresa.

Exatamente! Não existe iniciar um processo de inovação na sua empresa se o CTO(Chief Technology Officer) não estiver tecnologicamente atualizado, acompanhando as transformações digitais e focado em buscar inovação. Durante mais de 15 anos prestando consultoria a diversas empresas, escutei tanta besteira e desculpas sem fundamentos ditas por estes profissionais para os executivos que acabavam criando uma sensação de pânico e medo abortando qualquer tipo de mudança, melhoria ou possível inovação.

A maioria dos CEO´s não tem conhecimento profundo em tecnologias e por isso são obrigados acreditar na palavra do diretor de TI. Um dos exemplos mais absurdos ainda falado por uma boa parte desses profissionais é sobre computação em nuvem (cloud computing). Um estudo da IDC aponta que serviços, hardware e software em nuvem devem triplicar até 2020 chegando a 500 bilhões de dólares e por mais incrível que pareça, quando surge esse assunto nas empresas que ainda mantem servidores internos arcaicos e webmail da época do “Zipmail” a pessoa responsável pela TI que não domina o assunto, está acomodada e tem medo de mudanças fala: “melhor mantermos nossos servidores internamente porque se migrarmos para a nuvem teremos diversos problemas além do risco de roubarem nossos dados”.

Se o seu CTO é resistente a mudanças, coloca dificuldades em tudo, analisa e planeja muito minuciosamente para inovar ou melhorar algum processo, mande-o embora e contrate outro antes que seja tarde demais.

2. Reveja toda sua tecnologia interna.

Eu tenho absoluta certeza que 90% da tecnologia da maioria das empresas estão completamente ultrapassadas e custando infinitamente mais caras do que as tecnologias mais modernas de hoje. Desde links de internet, servidores de e-mails, equipamentos, softwares de gestão e de produtividade.

"Todos os equipamentos, softwares e a inteligência que você precisa para o seu negócio já existem melhores e mais baratos do que você usa atualmente através de SaaS (software as a service)."

Tenha certeza que o sucesso e o futuro do seu negócio irá depender da tecnologia e nem sempre ela precisa ser proprietária. Desenvolva apenas o que ainda não existe e conecte as tecnologias disponíveis como micro serviços em sua estratégia. Em resumo, terceirize tudo que não seja core e estratégico para o sucesso do seu negócio.

3. Busque inovação fora ou crie uma equipe com autonomia.

Empresas têm perspectivas antigas sobre clientes, processos, métricas, modelo de negócios e tecnologias. Por diversas vezes quando executamos consultoria de inovação para algumas empresas e por mais "cool" que achavam o assunto, nada caminhava.

"A minha sensação é de que existem anticorpos na empresa que matam qualquer iniciativa de inovação por colocar pessoas e cargos em riscos."

A simples implementação de um chatbot na área de atendimento a clientes (SAC) em busca de reduzir os custos, automatizar e digitalizar os processos acaba sendo morta antes mesmo de chegar aos executivos da empresa. Sim, é verdade que a inteligência artificial irá substituir milhares de empregos em diversas áreas, mas ou salvamos empregos ou salvamos as empresas. Afinal, sem as empresas a perda de empregos será ainda maior.

Para conseguir avançar com um processo de inovação dentro da sua empresa é necessário criar um time novo, pequeno (1 a 4 pessoas) com autonomia e sem vínculos de amizades internas. Conecte esse time a uma empresa de inovação corporativa para mapear as dores, definir estratégias e objetivos além de condicioná-los a pensar e agir com a mentalidade de empreendedores e startups.

4. Promova encontros com empreendedores e seus Startups.

Os empreendedores tem vontade e principalmente e disponibilidade para entregar uma solução rápida e resolver problemas de forma simples apenas com a expectativa de que se conseguirem a empresa poderá ser um cliente anjo para a sua Startup.

É sempre mais fácil, rápido e menos oneroso buscar inovação fora do que criar uma cultura de inovação interna. Grandes empresas e principalmente bancos já perceberam isso e estão conectados a empreendedores e Startups através de aceleradoras, eventos, palestras e ecossistemas de inovação para aprender e buscar ideias para seus processos e negócios.

5. Planeje menos, execute mais.

Criar processos de inovação em empresas levam tempo e muitas vezes fracassam pela burocracia e cultura de certa forma engessada. Independente de planejamento, não será nada fácil e rápido criar uma cultura de inovação para mudar completamente a realidade do seu negócio e por isso, não perca tempo e dinheiro planejando demais e inicie ações pequenas de maneira simples e rápida. Abra frentes com prioridades na estratégia ou nas possíveis dores do negócio. Crie protótipos para testar, validar e implementar algo rápido de forma paralela até conseguir comprovar os resultados e estar seguro para adotar o modelo por completo na sua operação.

"Na cultura de Startups errar rápido e corrigir rápido faz parte do processo de aprendizado e evolução do negócio, mas em uma empresa tradicional não é tão simples assim."

6. Pense grande e comece pequeno

Os inovadores bem-sucedidos "pensam grande" considerando a gama completa de futuros possíveis. Eles facilitam a inovação ao ousar buscar "pensamentos assassinos" para novos produtos e serviços que podem reescrever as regras e o negócio de uma companhia. Em contraste, os inovadores fracassados tendem a "pensar pequeno". Eles assumem a postura de que a mudança radical não será necessária e que nada irá afetar o modelo do seu negócio no futuro.

"Pensar apenas no presente e se contentar com inovações simples e baratas não será garantia de que o seu negócio irá resistir aos próximos 5 anos."

Empresas com inovações bem-sucedidas "começam pequenas" depois de pensarem grande. Ao invés de saltar no movimento para uma ideia potencialmente grande, divida a ideia em pedaços menores para testar e validar rapidamente para sair na frente de seus concorrentes.

7. Não tenha medo de mudar completamente seu negócio.

Uma prova de que esse tipo de decisão pode ser necessária e que se chegar a hora terá que ser encarada com coragem é a história da Kodak. Em 1975 um grupo de engenheiros da empresa desenvolveu a primeira câmera digital do mundo que pesava quase 5 quilos e fazia fotos apenas em preto e branco. As previsões estimavam que a câmera digital poderia se tornar viável num horizonte de 20 anos, mas os executivos preferiram manter a estrutura e negócio atual de vender filmes do que romper com a realidade e olhar para o futuro. Como se sabe, alguns anos depois a concorrência fez o negócio ruir.

Essa é uma das decisões mais difíceis a ser tomada. Mas se for preciso recomendo que seja feita mesmo que montando uma unidade paralela concorrente dentro da sua própria empresa, se conectando ou investindo em uma Startup promissora. O objetivo é proteger o seu negócio de uma possível ruptura no futuro por uma Startup ou por um concorrente que tomou a decisão antes de você. Como disse o futurólogo professor da Universidade de Stanford, Paul Saffo, em uma de suas palestras:

Muitas vezes é preciso fazer hambúrgueres com suas vacas sagradas. Paul Saffo"

Eu mesmo já fiz isso várias vezes e garanto que vai te custar algumas noites de insônia e muita ansiedade até você perceber que no final tomou a decisão certa.

Marcio Kogut é founder & CEO da Kogut Labs empresa especializada em inovação corporativa responsável por gerar mais de 10 bilhões em negócios para seus clientes nos últimos 8 anos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.