Empatia gera Simpatia

Um dos recursos no Facebook que mais tenho gostado de apreciar são as lembranças. É bobinho, mas é uma chance de (re)compartilhar momentos, rir de novo com memes de fotos (adoro) e até repensar certas atitudes e momentos de vergonha alheia.

Uma dessas recordações, uma conversa com um ex-amigo, me lembrou de um assunto que volta e meia retorna e com certeza vai fazer parte de sua timeline das redes sociais, você querendo ou não.

O ódio gratuito.

Ano passado começou com o “pau de selfie”. Sinônimo de mau gosto, falta de noção, de preguiça, de inaptidão fotográfica. A não ser que você tivesse com uma Go Pro. Aí era estiloso. Mas com o seu celular? Afff, nem pensar. Depois veio o BBB. “Ah, já vão encher a minha timeline de coisas de BBB, pessoal mais sem noção, sem vida…”.

Não é mais fácil simplesmente rolar direto a página e ignorar? Deixar a família no churrascão/praia/casamento/rua tirar suas fotos com o pau de selfie?

CLARO QUE NÃO!

Hoje temos essa necessidade de ir lá e mostrar a nossa opinião, exercer a nossa liberdade de expressão, mostrar indignação. Mas uma coisa que a maioria esquece é que liberdade de expressão não é imune a críticas. É muito fácil chegar e dizer que tal coisa é um merda. Difícil é aceitar as consequências do que falou.

Por isso, vamos tentar praticar menos a “sinceridade muito franca” e mostrar mais empatia com os outros e com isso gerar simpatia.

Garanto que não temos nada a perder…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.