(Cheeseburger da Consciência parte 7)

Existem vários devires. O devir dos óculos escuros, a minnie do mal, a provocadora, teaser, atiçando os pontos de intensidades alheias. Por isso o peso que tem suas opiniões. Mas estou fugindo do fluxo, quero me apegar ao que é bom. O clube. Obrigado de coração deveria ser facilmente compreendido. Dylan canta for a simple twist of fate. Fala de amor e fala de política. Amar é uma forma de política conciliatória entre os diversos partidários veniais, das entranhas, da sarjeta do fundo do corpo. Orgãos azuis. Cor de beterraba e sangue. Falar em verduras é pala de naturalista que fuma, discute a vida, participa, se envolve com as opiniões da associação de moradores, o futuro candidato a vereador tem várias coisas para serem ditas.

Acordar e manter o click on. On and off and on and off and on and off and on and off

Bret Easton Ellis.

As mudanças propiciadas pelo aparecimento de Nadja. Flagrada com Francis desde aquele dia do shopping center, por conta das cordas, obviamente, foram vistos pela vizinha da frente, uma das gordinhas, filha do amigo de meu avô diria o escritor, diria o envergonhado bacharel de diletancia. O complexo — a guerra do versus é lemniscata.

Mas vamos ao que interessa: a intensidade de Dylan.

Quero fugir do velho papo de viver.

Momento de confusão mental, aparecimento da amnésia.

Ha ha ha ele pensa faz-me rir que você tenha me apresentado a beleza ingênua singela de um charlie brown

preciso aprender pontuação? se pergunta o outro dele

Dias de primavera, em pleno calor de inverno no Brasil. É isso mesmo. às vezes parece que vai ficar tudo desértico. Incomunicável com miragens de água na vista turva.

Várias cores

para serem ditas

O bronze do teu ventre

Acaso é encontrar

de novo peça rara

feito vossa

O meu sentido. Arte é fazer surgir o sentimento de que o sentido pertence ao próximo. Frases de para-choque de caminhão na estrada sentido via Caldas Novas (memórias afetivas — fluxo ativado). Escrevendo feito a matrix do meu ser. A minha criação individual por causa das boletas que ando tomando diria o devir.. hmmmm deixa eu ver: speed metal? A cabeça que chacoalha feito gargalhada de criança esperando no centro o fim do expediente em ser feliz com naturalidade, sem culpas no cartório, sem medo de acreditar no final de tarde na praia de Itapoã. Aceitar ser conivente com a onipotência do divino, a ideia representativa da fachada de prazer degustado com fulgor, paixão picante gosto de pimenta malagueta diluída em fragrâncias, diluída em formatos, preparado sem adicionais de sacarídeo..

Perdão pela poesia digressiva

Afiar a pele de madeira, chocolates da melhor safra. O céu azul dos Simpsons. Cirrus, se não me engano. É de lá que caem gotas de cacau, gotículas de imanência. Gilles Deleuze acorda e vai pro restaurante em Caldas Novas tomar café. Pede um Bauru e sente os azulejos azuis gordurosos. A pala momentânea. Gilles tem a ver com a pala enquanto espera Felix Guattari acordar. Diz pra si mesmo que espera não encontrar a biba nervosa do Foucault. Os três porquinhos da estruturalização. Por onde anda Marx? Suburbia é aqui do lado. Orgias de jovens se embriagando no estacionamento. Siga o canal, ignore a raiz. Patti who? O sol da Consolação. Os galgos passeando numa boa. Todos ajudantes de papai Noel. Papai Noel é o caraleo! A pedofilia dos austeros professores de outrora. Outrora é agora. Miss Sunshine lendo revistas femininas que ensinam a obter um bom orgasmo. A vida sucumbe diante dos teus olhos, a vida refratária dos jovens e seus antidepressivos tênues. O limiar da juvenília. Ilhas de prazer logo ali. As praças de Goiânia finalmente fazem sentido. Chegar e escrever a todo vapor enquanto o café fica pronto, a água ferve, Ângela Maria canta sôfrega. Os punks atravessam a rua, feito a capa de Abbey Road. Eu peço desculpas aos que não souberam entender. Porque meu devir é de sair correndo por aí alucinado em pensamento enquanto escrevo, transcrevo, exíguas memórias, a falta de um bom dicionário revisto ao lado.

Gilles Deleuze enrolado no lençol, cobrindo as canelas da lufada de vento frio que bate vindo lá de fora. As piscinas começar a encher. Água clorada de piscinas azuis à meia-noite em Caldas Novas. O apito do trenzinho nos faz rever infâncias irreparáveis ; perdas no sentir. O calabouço da lembrança fica mais fundo a cada dia.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.

Responses
The author has chosen not to show responses on this story. You can still respond by clicking the response bubble.