Um zero

Meu Pai vira e mexe dorme na casa da namorada dele, costuma ficar as vezes quase um mês fora. Nada de farras aqui em casa, nada de ficar feliz, pois ele está indo em uma época ruim onde pra não incomodar seu filho ele tem que se locomover,é fato que eu já deveria ter saído de casa.

Deixou o congelador atolado de comida pronta em tupperware, isso me faz pensar que eu sou tão incompetente que tão consigo fazer minha própria comida. Não sei fazer feijão, meu macarrão vira purê e minha carne fica total sem gosto, parece uma gororoba árabe qualquer. Frango, nem pensar porque não sai mesmo. Peixe, nem comento.

Quer dizer, 50 anos na cara e eu não sei fazer nada. Nem mexer na máquina de lavar eu sei. Minha independência sempre foi outra, a de falar o que eu penso, de fazer o que eu quero, sair com quem eu quero e ter opinião quase que sobre tudo, mas em coisas banais eu sou de uma dependência assustadora. Isso vai gerando uma angústia, parece que eu parei no tempo e só fui descobrir agora.

Eu sei bem da minha dependência, e talvez por isso jamais quis alguém na minha aba, alguém que me visse como um salvador, um tudo na vida. Com o passar dos anos eu fui vendo que existe uma certa impessoalidade em todas as pequenas e grandes coisas realizadas por mim, como se eu estivesse desde sempre deixado tudo pronto para não fazer falta, caso um dia eu falte.

Nota zero pra mim.

Like what you read? Give Marcos A.Valença a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.