A CRIANÇA NÃO ENVELHECE

O filme "Uma mente brilhante" sempre foi muito significativo pra mim e agora tem mais um significado muito importante. Nele, John Nash, esquizofrênico, tinha 3 "amigos" imaginários, um deles uma criança, a sobrinha de outro "amigo" imaginário. Ele tomou remédio, parou e quando quase deixou morrer deu filho na banheira e estava prestes e perder tudo ele raciocinou e teve uma epifania: "a criança nunca envelheceu". E se apegou a isso. No final do filme ele fala "eles ainda me seguem, pra onde eu vou, mas percebi que são como vícios que precisam ser alimentados, eu simplesmente não me dou ao luxo de alimentá-los".

Imagino o quanto difícil deva ser.

De certo modo é assim que vivo hoje. Por passar muitos anos fugindo e fingindo, no momento que eu percebi que "a criança nunca envelhecia" eu mudei. Sigo mudando, é sempre um gerúndio, um processo. Não sou brilhante, mas sou inteligente o suficiente pra fazer cada dia uma mudança real e permanente, perene, porque sei que a criança nunca envelhecia.

É mais fácil pra mim ver isso e viver isso do que para as pessoas que me conheceram "esquizofrênico", porém espero que essas pessoas tenham um pouco de fé nisso.

Sou prático, sou efetivo e não seria diferente com minha própria vida agora. Eu sei que tenho muito que aprender, muito que melhorar, muito que seguir. Sei também que nada é absoluto, tudo é relativo. Mas eu sei. E saber, agora, é o maior trunfo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.