UPDATE: Thanks to a good friend of mine, at the end of this text is the English version.
Matheus José Maria
1K123

Prezado, pelo texto fica claro que você não se tornou petista nesse domingo. Já era, e apenas teve suas convicções reafirmadas quando viu o que buscou e quis ver. Em manifestações com centenas de milhares de pessoas se vê de tudo. Quando via manifestações e mobilizações de DCEs ou DAs, sentia asco pelo menos semelhante ao ouvir e ver coisas comparáveis, mas dessa vez vindas de pessoas com certa escolaridade-politização (e não tias sem noção). Quando me reunia com sanguessugas petistas na administração pública, escutava coisas muito piores, pois é visível como se sentem e agem como donos do Estado e de seu patrimônio. De qualquer maneira, para buscar a origem dessa hostilidade, ou da transformação de “petista” em ofensa, basta fazer uma auto crítica e procurar na própria ideologia do partido, que por anos e anos estigmatizou, xingou, ridicularizou e rotulou todos aqueles que simplesmente não apreciam viver em um país onde o Estado imenso, caro, loteado e ineficiente é o guia genial e supremo da sociedade. Todo esse esforço de tornar o opositor o inimigo, não só em postagens de internet como em discursos e publicidade oficiais, finalmente passou a ser respondido após mais de uma década. Demorou até demais, convenhamos. E esse discurso, enfim, continua aí bem visível: manifestações imensas, repetidas vezes, por todo o país, e tudo o que se vê por parte do petismo são argumentos como o seu: todos lá eram burros, genocidas, ignorantes. Já os petistas, por outro lado, são atores, artistas, pessoas que se preocupam com a chacina em Osasco e são corajosos a ponto de enfrentar a multidão. Isso é, na acepção da palavra, a teoria do inimigo. Nada diferente do que estamos vendo, desde que o petismo se transformou em minoria nas grandes cidades, minoria entre os jovens, minoria entre os mais escolarizados. Se me permite, não é com essas rotulações, ou com fotos engraçadinhas de coxinhas que irão sair do atoleiro. Isso é só pregar aos convertidos, que formam grupo cada vez menor. Obrigado pelas fotos, muito boas e ilustrativas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.