Talvez…

Talvez seja estranho pensar que há uma velhinha de 59 anos residindo em um corpo de 19. Mas essa parece ser a verdade sobre o que acontece na vida desta pequena garota que ainda tenta encontrar o seu lugar no mundo. Talvez ela esteja presa na metade do caminho, sonhando com o que não está ao seu alcance… Porém a ela disseram: o céu é o limite. Talvez não seja realmente o limite, pode-se ir além deste, sim, mesmo sem ser um astronauta. Os sonhos permitem essa tal liberdade, fazem o que é impossível se tornar realidade ao menos no plano do imaginário. E não porque é imaginário que é uma mentira. Idealizar não é um ato de falsidade, é esperar que coisas melhores aconteçam da melhor forma possível (ou até mais que isso) enquanto elas ainda estão em curso. É ter uma dose de esperança, um pouquinho de motivação…

Talvez ela apenas não queira fazer o que os outros jovens da idade dela costumam fazer, mas isso tudo não a impede de ser amiga deles, de interagir com eles, de sair com alguns deles…

Talvez ela se sinta bem dessa forma, talvez ela se sinta deslocada fazendo o contrário, talvez ela apenas queira ficar em casa quietinha…

Talvez ela queira dançar até a noite acabar sozinha, com a porta do quarto trancada e a música no volume máximo…

Talvez ela queira beber uma taça de vinho e apenas ir dormir…

Talvez… Talvez… Talvez…

Sim, a dualidade 19/59 é cercada de talvez isso, talvez aquilo. E é assim que a pequena garota segue (sobre?)vivendo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Clarinha’s story.