Notas perdidas

Respirei fundo, tão fundo que pensei que tinha um buraco submerso dentro de mim.

Olhei aquele longo espelho sujo, minhas olheiras aumentaram tão rápido, meus dedos trêmulos deram espaço a um sofrimento nunca vencido. Minhas palavras foram longas, meu corpo estava pesado; neste exato momento fui ao quarto, cama bagunçada, vida de pernas para o ar e o sentimento de estar perdida tomava conta. Suspirei e evitei chorar.

…Quando notei já estava mergulhada nas lágrimas que guardei por tantos anos, uma aflição tomou conta do meu peito e engasgou tudo dentro de mim.

Depois de horas voltei ao espelho e encarei mais uma vez minha face nua. Susto…

Aquela não era eu, era apenas uma menina perdida no meio de tanta solidão…

Like what you read? Give Madu a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.