amargura — amar cura

Sintomas de amargura são curados pelas pitadas de amor, em pequenos gestos, todos os dias.

Certa vez estava assistindo a um filme que muitos devem conhecer, Chocolate (2010), protagonizado por Juliette Binoche e Johnny Depp, onde uma mãe solteira muda-se para o sul da França e abre uma pequena loja onde vende seus chocolates especiais.

Dentro da trama surgem inúmeras situações, situando a realidade de muitas pessoas que são abraçadas por esse novo sabor de vida trazido pelos chocolates fabricados pela jovem mãe, porém uma dessas intercorrências se torna especial aos olhos, quando uma jovem casada e extremamente amarga e rígida saboreia essa nova realidade e daí para frente não vou contar mais detalhes, porém uma coisa é certa, ela é transformada.

Aquela situação me saltou aos olhos e percebi a necessidade humana do outro e das conexões amorosas para que não se perca a essência e centelha desse sentimento na vida, pois quando isso se perde, exista a deformação dos sabores da vida, retratados por meio de um chocolate.

Mas o amargor necessariamente precisa ser tratado com um novo sabor?

Acredito que sim, porém esse novo sabor nem sempre precisa sair de golpes de uma nova experiências gustativa, mas de uma nova sintonia de vida e esperança necessária a todos os seres humanos.

O toque amoroso, a convivência, o andar ao lado, traz uma nova alegria que salta aos olhos e dissipa toda a treva que a amargura muitas vezes condensa em uma realidade, por isso que se torna difícil compreender aqueles que vivem em tal situação, porque não é possível não pensar na ingenuidade de um olhar de criança que já fez parte dessa pessoa e que muitas vezes a solidão e a falta de carinho roubaram dela, e com o medo a fez se esconder em uma carapaça de solidão e auto sustentação que se torna aterrorizante e desoladora.

A ficção é mestre em desvendar o humano, pois aquilo que se vivencia muitas vezes é mostrado com a sutileza da arte e faz tudo fazer sentido, e como a moça que se descobre no longa metragem, como alguém diferente daquilo que estava acostumada, saindo da sua zona de conforto, muitas vezes nos vemos nessa situação e não existe outra forma que não seja se mexer para viver uma vida com propósitos.

Assim, para se curar o amargor de uma vida destruída pelas dores e indiferenças, pela solidão e pelas escolhas solitárias, só existe uma única solução, o amor que se deve dar sem limites e acreditar em recebê-lo como uma luz para uma vida de reais valores extra-físicos.


Originally published at obviousmag.org on March 21, 2016.

Like what you read? Give Maria Eneida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.