sob o mesmo céu

O céu está coberto de nuvens negras ,a tempestade é quase certa,iminente é uma questão de torcer contra ou a favor se está vendo o navio naufragar ?

Talvez o tão falado sair da bolha seja superestimado e crescer seja doloroso demais.Suas certezas vão se esvaindo e os questionamentos incessantes trazem a tona velhas inseguranças ,aí você se pergunta, quando se tornou quem é hoje? E apesar de todo desconforto que isso implica,é bom estar na própria pele.

Reflexões tardias sobre os recomeços de um novo ano não são nenhum grande feito,aparentemente nada de revoluções,somente pequenas evoluções. Superações que exigem diariamente Super Ações.

O agir cotidiano para quem observa de longe pode parecer sem cor,mas aqui dentro, um arco íris por consolidar,construir ,desconstruir,reconstruir…É o eterno devir que pulsa ,renovando ciclos.

Deixar-se afetar, abrir-se para aquilo que vem ,tarefa difícil em tempos caóticos nos quais uma pequena dose de sensatez deixa ainda mais tênue os limites da loucura.De repente é necessário explicar obviedades,defender valores que na teoria vigoram,apenas na tentativa de alimentar o ego e justificar atitudes hostis e indefensáveis.

Centenas de almas procurando ao menos uma razão para ficar,tentando desesperadamente por trás de seus mais completos smartphones encontrar a parte que falta.

Cercada por discos e livros…calma…isso soa tão analógico…justo na era dos stories do instagram ,ultrapassar os 30 segundos é quase inaceitável e profundidade é algo old fashioned.

Beatles ao fundo ,pensamentos e escritos desconexos…’’livre como um pássaro é uma das melhores coisas para ser”…É preciso voar e muitas vezes para alçar voos maiores estar em casa são e salvo já não é mais suficiente e ocasionalmente no meio do canções,sabores ,afetos…

Estaria a beleza das coisas entre os encontros e desencontros da vida ?Entre aquilo que somos e estamos nos tornando?Quem sabe?Afinal estamos todos sob o mesmo céu e talvez ser alguém que faça a diferença e ter orgulho da própria existência não dependa mesmo de grandes feitos e o louvável esteja nas pequenezas do dia dia e ser grande no trivial seja a verdadeira revolução.

MARIA JULIA DA CRUZ ASSIS