Algumas horas atrás me peguei chorando, não sabia definir o que sentia, só que era um turbilhão de sentimentos dolorosos, posso dizer que chorei feito criança, e que quis um colo e um abraço, porém alguns muitos minutos de choro, me olhei no espelho ao lavar o rosto e pensei: acabou, não é?

Só quem já teve um coração partido, sabe como é a dor de um fim de namoro, parece que jamais irá passar. Entretanto, depois de tanto me questionar sobre todos os motivos (e não chegar a nenhuma conclusão) me peguei pensando que, sempre me doei demais, sempre estive lá quando você precisou e mesmo quando não precisou, meu primeiro mundo era você. E nesse vai e vem, eu te acostumei mal, confesso, te acostumei a sempre me ter fácil demais. Contudo, não me culpe, eu e meu enorme coração sempre seremos assim. Isso não é minha culpa.

Você nunca precisava vir até mim, eu sempre estava lá, mesmo quando você errava, quem pedia desculpas era eu. Superei meus próprios medos, enfrentei meus próprios monstros e passei por cima das minhas vontades e em vezes até cheguei a me contradizer. Mas no final, de que adiantou?

E após, meus intermináveis prantos e todas as angústias possíveis, aquela imponência maldita e, bom, aquela saudade nem se fala, foi quando eu entendi tudo.

Entendi que amor não se pede, ele é transmitido por livre espontânea vontade, aprendi que deixar o orgulho de lado as vezes é necessário, mas amor próprio é mais necessário ainda, e aprendi a nunca me humilhar novamente (não sei se serei capaz). Mas sinceramente, o que eu mais aprendi foi, que sim, era melhor você ter ido embora, tanto para mim, quanto para você.

Aprendi que eu preciso pensar mais em mim, e jamais ir contra meus ideias por alguém, e aprendi que se for pra você ser minha, alguma coisa irá te trazer de volta (não sei se acredito nisso), mas o mais doloroso nisso tudo é: aprendi que eu não poderia te ensinar a demonstrar seus sentimentos e se abrir mais para mim. E eu jamais poderia te oferecer aquilo que não tinha, e jamais poderia ter medo da minha própria solidão (por incrível que pareça, ela é minha melhor amiga hoje), então você tomou essa decisão por mim, a decisão de me deixar.

Então, querida, espero que um dia alguém, ou a vida te ensine a se abrir mais, e demonstrar seus sentimentos e jamais ser tão fria quanto és. E quanto a mim, bom, eu vou tentar aprender a pensar um pouco mais em mim. Espero que um dia possa construir seu futuro com alguém ou comigo, e só que agora não dava mais. Cada um com suas próprias angústias. Por fim, obrigada por me ensinar que meu coração é tão grande que mesmo machucado ele não se cansa de amar.

Like what you read? Give Maria Julia Aquatti a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.