Eu costumava acreditar que você era a única escolha certa na minha vida.

Acreditava em comédias românticas e em amores intensos.

Cheguei a acreditar que era você a “escolhida”.

Você era feita especialmente para mim, e eu para você.

Sem hesitar!

Por alguns momentos, o universo tinha finalmente conspirado ao nosso favor é de uma forma estranha nossos mundos haviam se alinhado.

Ou talvez isso fosse só uma teoria na minha cabeça.

De qualquer forma, eu estava feliz.

O coração estava em ordem.

Não tínhamos motivos para brigarmos.

E a nossa sintonia era incrível.

Tudo parecia tão pequeno, perto de todo aquele sentimento vivenciado.

Porém, como todo clássico romance, aquelas coisas pequenas que eu ignorava, elas cresceram.

Foi onde, nosso amor começou a se atrapalhar.

Eu tentava evitar todas as possíveis coisas que te chateassem.

Fosse pessoas, lugares, músicas, filmes e mesmo o fato de eu ser extremamente romântica.

Decorei seu jeito, e como uma analista fazia exatamente aquilo que você esperava ser feito.

É, eu costumava te observar.

Eu não era insegura, você ainda me passava certa segurança.

Eu talvez fosse cuidadosa demais.

Cogitava hipóteses e evitava tudo o que poderia dar errado.

Perdi muita oportunidade de tentar.

Por incrível que pareça, não me arrependo, não disso.

De uma forma estranha, você acabou se tornando tudo o que eu tinha.

E eu queria estar com você, era importante para mim te ter por perto.

E, justamente nas horas que eu mais queria, você desaparecia.

Onde você estava?

Tinha certeza que minha mãe iria adorar te conhecer.

Você só precisava aparecer.

Eu fiquei triste ao descobrir que seu coração estava em uma sintonia diferente do meu.

Quando você queria se divertir, você nem sempre lembrava de me convidar.

Mas, talvez minha companhia não fosse tão boa.

Respeitei seu espaço.

Apesar de sempre achar ele grande demais.

Talvez só existisse espaço na nossa relação.

E com tanto espaço, eu infelizmente me acostumei a ficar no meu espaço.

Eu nunca fui sua prioridade.

E você sempre foi a minha.

Porém, um dia a gente entende que não existe desculpas esfarrapadas.

Na verdade quem sente saudade, vai até a China se for preciso.

Não precisávamos ir até a China. Nós estávamos perto, porém longe demais.

Demorou, mas finalmente enxerguei que por mais que eu tenha lhe amado, o melhor foi você ter ido embora.

Eu não poderia achar normal aquilo tudo.

Não poderia me sentir incompleta quando na verdade, sozinha eu estava mais completa.

Até tentei te mostrar que “amor” e “não posso”, não ficavam bem na mesma frase.

Você não conseguiu aceitar.

Quando você virou pra trás, eu não estava mais ali.

Me perdoe por isso, é só que sua ficha demorou demais pra cair.

Agora, você é finalmente livre. Pode viajar, conhecer as pessoas, sair sem avisar.

Você pode ser o amor de qualquer pessoa.

Menos o meu.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.