A solidão das otomes negras é algo grave.

Algumas esferas do mundo virtual e da cultura geek ainda são extremamente retrógradas e racistas. A subcultura dos animes são grande exemplo disso: O desejo dos “machos” fãs desse tipo de conteúdo por uma menina “perfeita” de acordo com o esteriótipo imposto , alimenta preferências racistas e excludentes.

A falta de representatividade negra nos desenhos japoneses por si só já escancara um grande racismo velado. Recentemente houve uma polêmica em torno da personagem Lenora, do desenho Pokémon. A personagem utilizara um avental mesmo sendo a diretora de um museu, relacionando claramente a cor negra com atividades braçais.

Infelizmente os garotos fãs de desenhos japoneses parecem internalizar tais atitudes e podemos ver claramente a projeção disso em suas escolhas por relacionamentos. Para eles, a garota perfeita é uma estilo “amorzinho”: Branca , baixinha, de preferência ruiva ou asiática e que conheça de cor e salteado praticamente todos os animes da atualidade.

Do outro lado da moeda temos as garotas negras que gostam desse tipo de conteúdo, e que além de serem descriminadas pela falta de representatividade nessa subcultura, não se encaixam no esteriótipo de “amorzinho” tão cultuado pelos “machos” escrotos fãs de anime.

Mas não se preocupem manas, o conceito de garota perfeita para esses caras é algo que habita apenas a cabeça deles, e é praticamente impossível de se concretizar no mundo real. Continuem gostando de anime, mas variem seu círculo social e conheçam pessoas com gostos diferentes dos seus, pois enquanto você vive sua vida na realidade, eles vivem a vida deles em um imaginário que nunca se concretizará.

Like what you read? Give Maria Laura a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.