O Fórum Europeu de Alpbach 2017

E o que eu tenho a ver com ele.

Imagem: European Forum Alpbach

Em agosto de 1945, uma nova pauta de conversa se alastrou por toda a Europa: o futuro. E almejando discutir sobre esse futuro então imprevisível, foi estabelecido por um grupo de acadêmicos e personalidades influentes da época a Internationale Hochschulwochen — numa tradução literal, seminários internacionais de verão — , que passaram a movimentar a pequenina vila austríaca de Alpbach. A partir de 1949, esses mesmos encontros passaram a ser chamados de European Forum Alpbach, e acontecem anualmente até hoje.

Durante aquele primeiro ano, os participantes formavam um perfil bastante homogêneo de jovens que haviam participado de movimentos de resistência ao socialismo nacional que predominou na Áustria durante todo o período da Segunda Guerra Mundial. E foi a partir dos objetivos em comum de reconstruir a vida intelectual do continente, criar novas estruturas para o ensino superior e encorajar o intercâmbio interdisciplinar que os diálogos ocorridos durante o encontro se deram de maneira aberta e intelectual. Essa atmosfera de múltiplos interesses e desenvolvimento mútuo foi o que majoritariamente permitiu que, pessoas antes inimigas políticas, pudessem se sentar lado a lado numa mesma mesa.

Hoje em dia, ao acessar o site do Fórum, você se depara com a mensagem de que

We connect international decision-makers from all sectors of society with an interested audience and committed young people. Our goal is to create a dialogue across the generational, ideological and other lines that divide us.

Ou seja, que o EFA se consolidou como um espaço para a conexão entre tomadores de decisão dos mais diversos países e setores sociais e uma audiência interessada, além de jovens comprometidos com o futuro. No Fórum, as linhas e muros que dividem a humanidade são transpostas pelo diálogo.


A cada ano, o Fórum possui um tema ‘guarda chuva’, sob o qual ocorrem discussões interdisciplinares sobre questões econômicas, sociais, educacionais, legais, tecnológicas… Esse macrotema é justamente o que guia e promove um rico encontro temático e conexão entre os diversos diálogos a cada novo verão. Determinado anualmente por um conselho que reúne acadêmicos e cientistas, alguns temas que já comandaram as edições anuais foram Science and Our Age (1945), Freedom Today (1958), Man in an Imperfect Society (1979), Expectations — The Future of the Young (2012). Ou seja, sempre acompanhando as mais recentes descobertas e desenvolvimentos nos mais variados campos do conhecimento. Para 2017, em específico, o tema escolhido foi Conflict and Cooperation.

Tema do Fórum de 2017: Conflito e Cooperação | Imagem: European Forum Alpbach

E é a partir desses dois polos — o de conflito, e o de cooperação —e toda a área cinzenta entre esses dois extremos do tema desse ano que se desenvolverão discussões nas áreas de Educação, Medicina, Tecnologia, Direito, Política, Economia, Finanças e Meio Ambiente. Além dos simpósios em cada uma dessas áreas, a primeira semana do evento é focada no debate acadêmico, desenvolvido no que é chamado de "semana de seminários".

No total, 20 seminários serão conduzidos por especialistas de renome mundial. Os assuntos abordados são os mais diversos, desde a incerteza sobre o futuro da democracia, a ascensão da inteligência artificial nos mais diversos campos da sociedade, até inovações ecológicas enquanto primordiais nos dias de hoje. De todos os seminários, é possível escolher dois que mais interessem para participar durante os primeiros dias do EFA17.

No restante do evento, uma área do conhecimento em específico é abordada durante dois ou três dias, com a possibilidade de haver a concentração de duas temáticas durante os mesmos dias. Pra ajudar, um infográfico simples do calendário:

Além da programação robusta, os números que o Fórum envolve também são surpreendentes: nessa edição, serão mais de 700 palestrantes, 200 sessões e mais de 3 mil participantes. Todo mundo centrado na discussão de três pilares: fortalecimento da democracia e da ciência, inteligência artificial e tecnologias revolucionárias, e inovações sócio-ambientais.

E sabe qual é o mais legal de tudo isso? O Fórum valoriza tanto os jovens, a diversidade do debate e a disseminação do conhecimento a ponto de conceder, todos os anos, até 700(!) bolsas que cobrem as taxas de participação no evento, além de mais algumas para auxiliar os estudantes com gastos de hospedagem e alimentação durante o período que permanecerem no EFA.

E é aí que eu entro nessa história.

Long story short: No início desse ano, mais precisamente logo antes da minha formatura acontecer, um dos grupos de estudos do meu curso de graduação compartilhou a notícia de que o European Forum Alpbach estava com inscrições abertas para a seleção dos bolsistas para a edição desse ano.

A primeira vez que eu ouvi falar sobre o Fórum foi na mesma época do ano, só que em 2013. Desde então, acompanhei as discussões e as novidades com os olhos brilhando de quem sonha estar numa atmosfera com tanto conhecimento e tanta diversidade no mesmo lugar algum dia da minha vida.

Quando vi a chamada pra bolsistas, e tendo recém-entendido minhas motivações enquanto pesquisadora e internacionalista, pensei que era chegada a hora que eu não só poderia passar pelo processo, como também teria algo a contribuir nas discussões que aconteceriam no EFA17. E me inscrevi. E me joguei. E fui aceita.


A casa do EFA17: Centro de Eventos de Alpbach. Nada mal, né? | Imagem: Alpbachtal Seenland

Então, minha situação atual

Em menos de um mês embarco pro Fórum Europeu de Alpbach 2017 para representar o Brasil(!!). E visando extrair ao máximo o conhecimento que estará disponível por lá durante todo o evento, e unindo à esse canalzinho que, particularmente, tem sido uma ferramenta super importante para mim durante todo esse ano, é que veio a ideia de ser a ponte entre as discussões que ocorrerão na Áustria e as inúmeras mentes brilhantes que eu conheço (e as que eu ainda desconheço também) no Brasil.

Logo, se você é ou conhece alguém que tenha interesse em saber mais sobre inovação nas mais diversas áreas do conhecimento, bom, seja bem vindo! A ideia é trazer para o Medium as ideias e as discussões que acontecerão lá, pra que sejam aplicadas e replicadas por aqui também — 'aqui' tanto no meio virtual, quanto que ações sejam tomadas e as ideias, concretizadas nesse Brasilzão digno de melhorias!

Além de toda a carga acadêmica, digamos assim, o legal é que durante o evento também ocorrem workshops, imersões e capacitações bem diferentes, como uma maratona de inovação, um minicurso sobre influência estratégica e uma gamificação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável lançados pela ONU.

Ah, sim. A programação completa do evento pode ser acessada AQUI. Perceba que os programas já estão separados por diferentes áreas do conhecimento, além da programação cultural.

É claro que eu embarco com a minha perspectiva pessoal de aprendizados e aspirações. E sim, já selecionei e circulei no programa aquele keynote ou seminário que eu não posso perder de maneira nenhuma. Mas se você ver na programação do evento alguma sessão em especial que seja do seu interesse, me avise! E vamos compartilhar conhecimento, sempre.


Se você gostou desse artigo, não esqueça de clicar no ❤ abaixo. Assim esse mesmo texto pode ser visto por mais gente! 
E se você quiser ler sobre as novidades que aparecerão no Fórum Europeu de Alpbach desse ano, não deixe de me seguir aqui no Medium, porque haverão muitos artigos dahora! :)

Like what you read? Give Maria Luísa Lange a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.