Eu nunca vou te alcançar. Tenho medo de altura, meu amor. Desça desse arranha-céu que você se tornou e venha me tirar da sarjeta. Não posso subir, são muitos andares e tenho medo da queda infinita que eu embarcarei caso você não me corresponda, entende minha complicação? Agora, corajosamente subo os degraus da escada. O elevador me deixa enjoada e não há espaço para todos os sentimentos que te levo. Ofegante, na escadaria eu posso correr em sua direção sem que algo prenda-me os impulsos e quando finalmente chego no alto, te vejo de costas olhando o infinito céu que se estende vista a fora. Você me olha. Me acaricia o rosto, eu olho o seu sorriso fosco, venci meu medo e estou aqui. Porém, alguma coisa parece não se encaixar. Você me deixa, salta do seu próprio precipício. Olho de lá de cima… você sumiu. Mas agora estou no alto do seu edifício, sozinha. Tenho medo de altura, meu amor.


Don’t let your voice die

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.