Sobre filas

Segunda-feira. Tenho um pouco de dó das segundas-feiras porque elas foram feitas para serem odiadas. O primeiro dia da semana, o dia internacional da dieta, das mudanças. “Segunda-feira eu faço”, “segunda-feira eu começo”, sempre assim. Acho colocar pressão demais em um diazinho só e, por isso, como sempre fui mesmo meio rebelde, me recuso a sucumbir às promessas de segunda-feira e aí, olha só, ela é só um dia como qualquer outro.

Ok, menos essa. Pra essa eu deixei a árdua tarefa de ir ao banco. Não seria árdua em um dia comum, mas hoje choveu. Choveu e alagou. E é hora do almoço. Ok, vamos lá.

Fila. Quilométrica. Hoje é dia 15? Ai, é. Bom, já estou aqui e vou ficar. Apenas dois caixas funcionando. Acho que não existe nada que una mais duas pessoas do que só dois caixas funcionando. Assim você pode reclamar à vontade com seus colegas de fila. Sim, sempre tem um colega de fila. Pode ser que vocês troquem uma ou duas reclamações, se identifiquem e, pronto, sua vez chega e a amizade acaba. Simples assim. Aquela pessoa que diviviu com você aqueles minutos de indignação vai embora pra sempre, sem nem perguntar o seu nome, nem te convidar para uma cerveja. A amizade mais rápida da história.

Essa fila não anda, droga. acho que vou demorar mais do que pensei. A senhora na minha frente já se virou umas três vezes. Me olhou agora. Sorriu. Ó lá, vai reclamar a qualquer momento agora. Reclamou. Dei um sorrisinho, só o que ela precisa é se sentir compreendida. Pronto, minha senhora, podemos voltar ao silêncio.

Andamos mais um pouco agora, mas a senhora resolveu reclamar de novo. Ela deve ser aquelas que buzinam no trânsito incessantemente. Vou sorrir de novo, acho que ela para. Ai meu deus, tá falando que o país tá um caos. Olha, até que chegamos a como a política interfere na fila dos bancos rápido hoje. Meu rosto já dói de tanto sorrir. Mais dez minutos e ele fica assim pra sempre, certeza.

Mais três pessoas na minha frente. Certamente quem inventou aquela história de que paulista adora uma fila não me conhecia, ou conhecia essa fila, com essa senhora. Força, só mais um pouco. Fones, eles sempre me salvam. Ok, acho que agora ela para. Ai, não. Não parou. Desculpa senhora, mas não quero ouvir sobre a palavra dos Indignados Com os Dois Caixas Funcionando No Bradesco ao Meio Dia Do Dia Quinze. Vou focar na música, acho que ela para. Maldita chuva, maldito dia 15, maldia segunda-feira. Desculpa segunda, não deu pra aliviar pra você dessa vez.

Like what you read? Give Mariana Alixandre a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.