sobre a modernidade

eu queria te mostrar que eu sou mais do que a menina de cabelo doidão. que sou mais do que o alargador, as tatuagens, os furos. muito — muito — mais do que a imagem. do que o peso, do que o tamanho da bunda. do que roupas, e fotos, e followers. e wifi, e mensagem de “bom dia”.

as ideias que eu queria trocar são sobre o mundo, o universo, as estrelas. o que achamos que sabemos e o que temos certeza que não sabemos. queria falar sobre povos maravilhosos que vivem da troca, sobre a não adequação ao sistema, sobre os seus planos para o futuro.

sem pretenções, sem fingimentos, sem esperar 45 minutos “senão ele vai achar que tô dando muita bola”.

por favor, não me faça abrir os olhos e ver que tudo não passa de uma superfície escrota e que a gente nunca vai mergulhar.

porque na real, eu já tô aqui no fundo. 
espero que você queira descer.
(e isso é pra todos).