“Janela Indiscreta”, de Alfred Hitchcock

Mistérios

Eu amo filmes, programas, séries, livros e o que mais tiver sobre serial killers e crimes envoltos por um clima de mistério. Acho que essa “obsessão” começou quando um tio me deu uma coleção de livros da Agatha Christie. Os únicos livros que prendiam minha atenção naquela época eram os recheados com enigmas. O tempo passou e meu leque de interesses literários aumentou, mas ainda gosto de um bom romance policial.

Além dos livros, comecei a ver vários filmes com essa temática e, assim, conheci Alfred Hitchcock, um dos meus cineastas favoritos. Foi meu pai me introduziu no mundo hitchcockiano. O primeiro que assisti foi “Janela Indiscreta”. Aquilo foi um momento mágico pra mim. Nunca vi nenhum outro diretor que consegue criar um clima de suspense do jeito que Hitchcock fazia. Claro que temos outros bons filmes com a mesma temática, mas o cineasta inglês era um gênio sem igual.

Atualmente, existem várias séries sobre assassinos em série e tem o Investigação Discovery, canal recheado de programas de homicídios cercados por mistérios. Pena que o ID não tem mais passado “O Índice da Maldade”, que era meu programa preferido sobre psicopatas.

Sabe-se lá o motivo dessa fixação por um tema tão mórbido. Daqui a pouco vai ter gente achando que tenho uma mente perturbada por causa disso. Mas nem é assim, eu gosto de conhecer a história, de analisar a personalidade dessas pessoas e de desenvolver habilidades investigativas. Sou mais voltada para o lado do detetive do que pro assassino.

PS.: Como fiz o texto de improviso, não tive tempo de preparar uma lista bem pensada sobre filmes de serial killers, mas vou deixar de alguns que gosto muito.

  • Psicose, Alfred Hitchcock
  • O Silêncio dos Inocentes, Jonathan Demme
  • Se7en, David Fincher
  • Zodíaco, David Fincher
  • Psicopata Americano, Mary Harron
  • Os Homens que Não Amavam as Mulheres, Niels Arden Oplev (sueco)
  • M, O Vampiro de Dusseldorf, Fritz Lang
  • Onde Os Fracos Não Têm Vez, Joel e Ethan Coen
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.