8 ou 80

Tem um tempo que to querendo escrever sobre como andam os relacionamentos hoje em dia, pelo menos sob o meu ponto de vista (que não é la essas coisas).

Já li muitos textos sobre essas coisas, algumas vezes pra me confortar, outras pra me dá um choque de realidade e outras ainda pra procurar algumas respostas. Mas hoje eu vou escrever tendo como base as minhas experiências (de merda) e o que tenho visto por aí com outras pessoas, vide meus amigos.

As pessoas hoje em dia vivem as relações interpessoais de uma maneira muito extremista, e esses dois extremos são: foda-se ou obsessão. Sim, de repente eu posso ter pegado pesado nas palavras, mas é porque são as únicas palavras que eu encontrei que possam expressar a intensidade da coisa. O extremo FODA-SE, que já existia a muito tempo, está cada vez mais aprimorado e beirando ao cúmulo do egoísmo. Muitas pessoas vivem o foda-se de uma maneira mais tranquila, como eu.Tipo, eu entro num relacionamento hoje sem muitas expectativas, apenas com o intuito de me divertir, ter noites legais, orgasmos e alguns papos bons para recordar, além do bom e velho respeito e consideração que se deve ter por qualquer ser humano. O meu foda-se entra no que diz respeito ao que a pessoa vai pensar se eu sair sozinha, ou se eu sair com outro alguém, ou se eu fizer alguma coisa e não falar com ele, até porque ele sabe que não temos nada e que ninguém deve satisfação a ninguém, porque desde o início temos tudo esclarecido. Sair com outro alguém por sair, não tem importância, até porque já foi pré estabelecido que não temos nada que nos prenda um ao outro. Agora a galera tem levado o foda-se muito a pé da letra, deixando de lado o respeito e a consideração, coisas básicas para se viver em sociedade, sem entrar no mérito relacionamento. Eu saia com um cara que tinha as características que citei mais acima, do “foda-se de boa”. Pra mim tava tudo ótimo, até que me deparo com um NAMORANDO dele na rede social, e não era comigo. ótimo, que seja feliz, mas assim me avisasse que não ia mais poder contar com ele pra gozar ne…Isso é um foda-se do tipo que te descarta como ser humano, como se você fosse uma poeira no ar, que o vento levou.

A galera do 80, é estilo seriado americano de stalker… interage com você em todas as redes sociais, te curte, coração, inbox, whatsapp, não faz ideia mais como ter assunto com você, mas está lá… Você diz carinhosamente a ela que não quer nada sério e que serão amigos, mas ela não quer ouvir pois o amor e o apego já a cegou, surdou e só a faz pensar que de alguma maneira você quer sim ela, se não, porque ainda quer manter contato como amigo só?

Sabemos que existem os babacas de plantão que realmente mantém esses cozidos para possíveis crises e fomes repentinas na madrugada, mas outras pessoas (como eu) simplesmente só querem ser amiga desses serumaninhos, sem nenhum tipo de troca e mágoa. 
Por mais que você explique, demore a responder, seja um pouco ríspida, a pessoa ingenuamente insiste, esquece do amor próprio e se entrega de corpo e alma pra você.

Eu me sinto mal, triste… porque não quero alguém que anula a sua felicidade por mim, que viva por mim sem que eu não tenha sentimento algum por ela e me fazendo sentir aquilo que eu mais reluto, pena.

As relações não precisam ser assim, 8 ou 80. Podem ser 60, 75, 82, 10, 30… 34,7699 e todos os outros números que permanecem no meio, nem lá nem cá, no equilíbrio de tudo. Tem que ter carinho, respeito, consideração, mas tem que ter amor próprio, privacidade e respeito ao espaço do outro.

Sempre pensei que pro amor não existem regras, nem tão pouco pras relações. Permitam-se, apenas, não se anulem nem tentem ser aquilo que nunca foram em prol de alguém que você nem ao menos sabe que número é pra você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.