Por que você deve parar de falar sobre fodeback e feedcraw

Eu venho falando e palestrando sobre feedback há um certo tempo. Eu simplesmente adoro o tema e, como a maioria das pessoas que já conversou comigo sobre isso deve saber, eu comecei a estudar sobre feedback porque era péssima em lidar com crítica.

Assim que cheguei em São Paulo, obviamente no meu novo trabalho fui solicitada a falar sobre feedback. Cada vez mais não só na empresa, mas também na comunidade agilista, me deparei com essas duas palavras horrorosas: feedcraw e/ou fodeback. Na linguagem ainda mais popular, poderíamos chamar de carcada, mijada, tirada de couro e por aí vai.

Já aviso que não tem nada de puritanismo da minha parte, sou 100% tolerante e inclusive adepta aos palavrões. O que me deixa horrorizada é toda a carga negativa que vem com elas. E aqui vão algumas razões para que você segure seu tchan na próxima vez que for falar uma delas.

Pra começar: isso não é feedback, tá?

Em nossos ambientes de trabalho estamos muito acostumados a ligar, quase que instantaneamente, a palavra feedback com avaliação de desempenho. E nós temos apenas que parar de incentivar isso.

Ainda que o feedback seja avaliação, ele é mais do que isso. É orientar, elogiar e impulsionar, antes de mais nada. Feedback é uma ferramenta importante de melhoria contínua e isso vai além da avaliação de desempenho.

Talvez a própria palavra feedback não seja a mais apropriada (e outras já vem sendo usadas como insight, sugestão, alinhamento, advice e etc) mas é ainda a mais presente no mercado de trabalho. E quando tratamos críticas descontextualizadas e com má intenções como feedback, nós não contribuímos em NADA com o incentivo à mudança desta mentalidade de julgamento.

Ah, mas eu não posso mais criticar, então?

É claro que sim. Aliás você deve criticar. Mas isso não te dá o direito de ser um Nelson Muntz (o personagem dos Simpsons que está na capa deste post) que está ali pronto pra apontar um erro e falar HA HA! Se não é pra ajudar a melhorar, por que você acha que sua opinião ou comentário é importante?

Ah, mas é fácil falar. Ser criticado é difícil.

Eu sei disso. Sei demais! No entanto, mesmo as conversas mais difíceis podem ser tratadas com respeito e com foco em aperfeiçoamento. E nem sempre é fácil, nós temos muitas dificuldades em lidar com conflitos eminentes. Mas o que precisamos entender é que uma crítica, quando fundamentada e bem intencionada não é uma mijada, é uma oportunidade de crescer com o ponto de vista de outra pessoa.

E, convenhamos né, todo mundo erra. E espero que você tenha alguém lá disposto a te dar um feedback da melhor maneira quando isso acontecer.

A intenção por trás do feedback: você quer ajudar ou quer fo%$& com as pessoas?

Seria uma pergunta bem simples, não fosse o fato de que o ser humano é complexo. Se você começa uma conversa, ou ainda uma reunião de feedback com a intenção errada, não existe técnica ou palavra no mundo que vá salvar esse momento.

Se você quer ferrar com a pessoa, isso não é feedback, é sacanagem. É relação de poder. É arrogância.

E é por isso que feedcraw ou fodeback não existem.

Sendo assim, se não é contextualizado, baseado em fatos e com sugestões de melhorias não é feedback, é só opinião. Se essa opinião não vai fornecer insumos para um questionamento crítico e saudável, gerando assim a possibilidade da outra pessoa se desenvolver profissionalmente e/ou pessoalmente, se ela não vai poder melhorar em nada com essas informações eu sugiro que você mantenha isso pra você. Sério mesmo.

Muito ajuda quem não atrapalha ;)

Até!