Por que você deve parar de falar sobre fodeback e feedcraw

Mariana Graf
Feb 5, 2018 · 3 min read

Eu venho falando e palestrando sobre feedback há um certo tempo. Eu simplesmente adoro o tema e, como a maioria das pessoas que já conversou comigo sobre isso deve saber, eu comecei a estudar sobre feedback porque era péssima em lidar com crítica.

Assim que cheguei em São Paulo, obviamente no meu novo trabalho fui solicitada a falar sobre feedback. Cada vez mais não só na empresa, mas também na comunidade agilista, me deparei com essas duas palavras horrorosas: feedcraw e/ou fodeback. Na linguagem ainda mais popular, poderíamos chamar de carcada, mijada, tirada de couro e por aí vai.

Já aviso que não tem nada de puritanismo da minha parte, sou 100% tolerante e inclusive adepta aos palavrões. O que me deixa horrorizada é toda a carga negativa que vem com elas. E aqui vão algumas razões para que você segure seu tchan na próxima vez que for falar uma delas.

Pra começar: isso não é feedback, tá?

Em nossos ambientes de trabalho estamos muito acostumados a ligar, quase que instantaneamente, a palavra feedback com avaliação de desempenho. E nós temos apenas que parar de incentivar isso.

Ainda que o feedback seja avaliação, ele é mais do que isso. É orientar, elogiar e impulsionar, antes de mais nada. Feedback é uma ferramenta importante de melhoria contínua e isso vai além da avaliação de desempenho.

Talvez a própria palavra feedback não seja a mais apropriada (e outras já vem sendo usadas como insight, sugestão, alinhamento, advice e etc) mas é ainda a mais presente no mercado de trabalho. E quando tratamos críticas descontextualizadas e com má intenções como feedback, nós não contribuímos em NADA com o incentivo à mudança desta mentalidade de julgamento.

Ah, mas eu não posso mais criticar, então?

É claro que sim. Aliás você deve criticar. Mas isso não te dá o direito de ser um Nelson Muntz (o personagem dos Simpsons que está na capa deste post) que está ali pronto pra apontar um erro e falar HA HA! Se não é pra ajudar a melhorar, por que você acha que sua opinião ou comentário é importante?

Ah, mas é fácil falar. Ser criticado é difícil.

Eu sei disso. Sei demais! No entanto, mesmo as conversas mais difíceis podem ser tratadas com respeito e com foco em aperfeiçoamento. E nem sempre é fácil, nós temos muitas dificuldades em lidar com conflitos eminentes. Mas o que precisamos entender é que uma crítica, quando fundamentada e bem intencionada não é uma mijada, é uma oportunidade de crescer com o ponto de vista de outra pessoa.

E, convenhamos né, todo mundo erra. E espero que você tenha alguém lá disposto a te dar um feedback da melhor maneira quando isso acontecer.

A intenção por trás do feedback: você quer ajudar ou quer fo%$& com as pessoas?

Seria uma pergunta bem simples, não fosse o fato de que o ser humano é complexo. Se você começa uma conversa, ou ainda uma reunião de feedback com a intenção errada, não existe técnica ou palavra no mundo que vá salvar esse momento.

Se você quer ferrar com a pessoa, isso não é feedback, é sacanagem. É relação de poder. É arrogância.

E é por isso que feedcraw ou fodeback não existem.

Sendo assim, se não é contextualizado, baseado em fatos e com sugestões de melhorias não é feedback, é só opinião. Se essa opinião não vai fornecer insumos para um questionamento crítico e saudável, gerando assim a possibilidade da outra pessoa se desenvolver profissionalmente e/ou pessoalmente, se ela não vai poder melhorar em nada com essas informações eu sugiro que você mantenha isso pra você. Sério mesmo.

Muito ajuda quem não atrapalha ;)

Até!

Mariana Graf

Written by

Eu curto gente, agilidade, café, cerveja e cachorros.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade