Já fui boba, mas nunca Santa
Santas não existem!
Já tentei acreditar em semideuses
Deuses só castigam a inteligência da gente
Santos e Santas só se for do pau oco.
Já fui boba e ainda sou
Boba de amor, ainda acredito na flor
Mas a idade e o tempo te trazem
Maturidade e uma dose de serenidade.
Indiferença dói 
Arranha a garganta como fel
Mas adoço um café com mel
Viro a página da vida e recomeço meus dias
Nada é tão definitivo
Como o dia de amanhã
Que nasce com sua autorização 
Ou não!
Sei degustar o vinho e o pão 
O sim e o não 
Da vida que nunca passa em vão.

(Mariana L. de Almeida).

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.