Terapia de grupo? Não me sinto preparad@

Essa é a resposta de uma moça. Jovem, super simpática, dessas pessoas de energia agradável. Entrou no meu sistema como um código para acessar o arquivo: reflexão sobre temáticas.

A terapia de grupo cumpre, entre outras funções, o papel de gerar um espaço de reconhecimento das semelhanças do que sentimos.

Em síntese, essa é a proposta de grande parte dos grupos terapêuticos.

Mas……… chegou o século XXI e a necessidade de percebemos a vida em rede.

Os grupos se transformaram muito! Em tudo: metodologia, temáticas e o que chamávamos de terapeuta de grupo, virou o facilitador. Quer saber mais? Então vamos lá:

  • temática: o grupo sistêmico pode se formar em torno de um tema a ser abordado. O facilitador propõe o tema e tece a interação dos participantes no processo;
  • metodologia: o tema será vivenciado com jogos integrativos, movimentos sistêmicos, círculos de percepção, vídeos e músicas;
  • participantes: nesse tipo de grupo, dissolve-se a figura do paciente. A dinâmica está em torno do ser que busca uma transformação. Diferente da lógica de doença e cura, o grupo sistêmico, busca um novo olhar;
  • facilitador: o papel do mediador é tecer um novo processo para gerar novos fluxos;
  • empoderamento: o sentir integrado visa gerar empoderamento. A liberdade de ter auto-confiança e hólon cuidado, ou seja, cuidado coletivo e percepção do todo que integramos.

Percepção sistêmica e biocêntrica.