O Vasco hoje é apenas uma ilusão numérica

Muitas pessoas me questionaram quando fiquei satisfeita com a quebra da invencibilidade do Vasco. Mas eu, apaixonada por esse clube, não consigo pensar na possibilidade de daqui uns anos, meus filhos olharem pra trás e enxergarem uma equipe que conta com Aislan e companhia, batendo o recorde do inesquecível Expresso da Vitória.

Por falar em Aislan, fica aqui um questionamento: o contrato desse rapaz foi renovado por quê? No jogo de hoje, mais uma vez o time foi vítima de irresponsabilidade, de jogadores que como ele, não demonstram a seriedade e sensatez exigidas de um jogador profissional de futebol.

Graças ao Martin, pegando pênalti nos últimos minutos de jogo — e pênalti esse muito bem batido — , o gigante garantiu mais uma vitória, abrindo uma diferença confortável de 5 pontos para o segundo colocado na competição.

Mas o que me motiva a escrever-lhes, caros amigos, não foi a vitória, mas sim a ilusão numérica que essa equipe apresenta. Mesmo ocupando o topo da tabela, mesmo ganhando mais um jogo, o Vasco não pode se contentar, nem ficar feliz, em vencer o CRB. Muito menos tomando o sufoco que tomou.

Essa é a terceira — e dolorosa — passagem do Vasco pela Série B. Existem erros que não podem ser mais cometidos. Existem atitudes que não podem ser mais aceitas. E principalmente, existem coisas que não podem mais ser toleradas.

É nítido que o Vasco caminha mais uma vez para uma gangorra futebolística, que hora sobe, hora desce. Mas que não pode ser um círculo vicioso.

O Vasco é gigante; o Vasco têm história; e acima de tudo, o Vasco não pode se contentar em ser menos do que é.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.