MORELLA — Edgar Allan Poe

No marco do projeto #12mesesdepoe, irei nesse texto fala sobre o conto MORELLA, publicado por Edgar Allan Poe em 1835, como muitos sabem, Poe, não foi um homem muito sortudo no amor, ele perdeu seus amores muito precocemente, suas obras geralmente gira em torno dessa da relação do desamor com a morte.No conto Morelha, essa relação fica muito clara, com há narração do homem em busca de Morelha.

O Ultrarromantismo português como gênero literário e movimento artístico, surgiu no século XIX, suas principais características era idealização do amor e da mulher e obsessão pela morte. Mesmo não fazendo parte desse movimento vejo que Poe navega em seus contos por águas ultrarromanticas. A forma que o narrador idealiza Morelha é de uma obsessão e idealização fora da realidade; tipo de alguém que perdera um amor e viver do saudosismo do desamor.

“Poderei dizer então que ansiava, com desejo intenso e devorador pelo momento da morte de Morella ? Ansiei; mas o frágil espírito agarrou-se à sua mansão de argila por muitos dias, por muitas semanas, por meses penosos, até que meus nervos torturados obtiveram domínio sobre meu cérebro e me tornei furioso com a com demora e com o coração de um inimigo, amaldiçoei os dias, as horas e os amargos momentos que pareciam ampliar-se cada vez mais, à medida que sua delicada vida declinava como as sombras ao do morrer do dia.”

O conto em seu meio para o fim, aparentemente, ser torna uma cativante massagem de amor do narrador a sua amanda esposa em seu leitor de morte, ser no começo, vemos declarações idealizadas de amor, no meio , lacrimejamos com infortúnio do homem que desejou a morte de sua amanda esposa, mais não consegue lida com sua morte real.

Como um passe de magica em uma tarde de outono, o narrador nós conta que sua esposa morta , estava gravida, algo, que não foram citado anteriormente, e provocou uma certa sensação de “deus ex machina” em mim. A criança era uma menina que ao adiantar dos anos cresce semelhante à mãe. Não consigo compreender bem essa ultima parte do conto, inclusive achei por algum momento que o narrador estaria tento sentimentos passionais por sua filha devido a semelhança com sua mãe, em todos os contos que li de Poe que envolvia mulheres sempre termino confusa ou triste com o destino das mulheres de Poe.

Imaginou que a vida do autor tenha sindo cheia de perdas românticas, devido há isso, consigo imagina que a forma que ele tinha de extravasa suas emoções fosse escrevendo contos sobre suas obsessões e amores trágicos.

Like what you read? Give Mariana Rio a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.