Açúcar ou adoçante?

Querido Criatura,

Como diz aquela frase, odeio quem me rouba a solidão sem oferecer companhia real.

Foi tudo tão rápido, e tão intenso… Agora vejo que me apaixonei pelas sensações e pela idealização que fez de si e eu fiz também… Muita história…

Eu me apaixonei e amei aquilo que inventou de si e eu acreditei. Odeio sentir saudades de algo que nunca existiu em essência. Odeio!

Odeio você por me fazer sentir saudade, vontade de carinho, de alguém que não era real… De alguém que era mais literatura que ser humano…

E por literatura entendam história inventada, e não a essência dos livros, porque, caso fosse isso, eu não estaria escrevendo isso.

Odeio que me roubem a companhia sem colocar companhia real. Odeio.

Eu me expus. Eu me joguei. Eu apostei alto em algo que não tinha bases profundas, pelo menos não de um dos lados. Até hoje não aceito bem o fato de ter me permitido isso tudo… mas quem iria prever, não é mesmo?

Não me culpo por amar muito e intensamente, mas me culpo por não ter ouvido meus instintos…

Odeio sentir isso. Odeio sentir vontade de carinho e não poder tê-lo… E não de você, carinho de modo geral…

Acho que sempre que algo acaba, ficamos um pouco descrentes naquilo de bom que existiu. Quando guerras acabam, desacreditamos a paz que existe/existia. Quando pessoas queridas morrem, desacreditamos que conseguiremos lidar com a ausência, e sentimos saudade… Quando terminamos relacionamentos, desacreditamos que outras pessoas não vão nos ferir e que podem sim nos amar infinitamente. São feridas a serem curadas.

Na maior parte dos dias, a ferida está estancada, não está sangrando, mas em alguns dias ela têm pus… em outros, ela reabre por conta de algum movimento estranho ou similar q fizemos quando nos machucamos… E aí sangra de novo…

Hoje está sangrando. Por você. Mas, mais ainda, por mim.

Odeio amar o que você criou de si para mim e que eu alimentei, dei forças, e embalei em meu colo. Odeio. E não gosto de odiar.

“Mas se você quiser alguém pra amar

Ainda não vai dar

Não vou estar

Te indico alguém”

Abraços,

Sua Criadora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.