Lugar cativo guardado

Sim, eu estou pensando em você. E não, não dói, porque você nunca me fez doer. Mas a premissa de que um dia vai me deixa mais tranquila de que um dia eu possa lidar melhor com essa dor lancinante que me afeta tanto.

Como queria poder olhar nos teus olhos hoje, aqui e agora… Ver teus olhos, que me tragaram como dragas… que magia eles escondem? Poderia dizer?

Queria poder dar o abraço longo, apertado e sincero que nunca te dei… Queria poder beijar teus lábios que dizem coisas tão lindas e profundas… de si e dos outros…

Queria poder estar ao teu lado e dizer que você é minha assim como eu sou tua, e que possamos dizer que somos de quem quisermos ser… Ah, como eu queria ter o gosto da liberdade ao teu lado!

Todos esses quereres me deixam num estado tal de querência que não consigo mensurar… Por que você não vem matar a saudade daquilo que nunca aconteceu? Acho viável… Acho que faz sentido!

Só venha… Teu lugar está guardado.

“Tu vens, tu vens…

Eu já escuto teus sinais” — “Anunciação”, Alceu Valença.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.