Uma carta incomum…

Sorocaba, 24 de outubro de 2018

Oi Mãe, oi Pai, como estão as coisas por aí? Que saudades de vocês!

Tenho tantas novidades pra contar desde a ultima vez que nos vimos… depois da nossa despedida, me mudei para Bauru para morar com os meus tios. No começo foi um pouco difícil, porque estava acostumada com a nossa pequena Olímpia… e Bauru é bem maior! Mas foi interessante ver como eu amadureci rapidamente mesmo tendo apenas 11 anos de idade.

A música sempre teve um espaço muito importante na minha vida, seja escutando ou tocando. Aos 12 anos, iniciei minhas aulas de música. De violino! Tinha um sonho de participar de uma orquestra! E com muito estudo e dedicação eu consegui! Por 4 anos tive o prazer de ser violinista na orquestra de Bauru, o que me proporcionou muito trabalho em grupo, ser empática com o outro, ter um dinamismo muito grande para fazer a música acontecer e flexibilidade com as situações e imprevistos dos espetáculos. Cada segundo trabalhando com música é muito especial pra mim!

Ainda na adolescência, aos 15 anos, fui emancipada e, tive que aprender a cuidar da minha vida financeira. Isto foi muito marcante e um grande aprendizado para mim, pois tive que conquistar responsabilidade para saber quando e onde utilizar o meu dinheiro. Por tão nova ter me tornado protagonista da minha vida é que hoje sou uma pessoa determinada e com objetivos de vida bem definidos.

Hoje, com 26 anos, estou cursando o último ano de Engenharia de Produção na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) de Sorocaba. Vocês sabem… sempre gostei de matemática.

Falando um pouco sobre os anos de graduação, tive várias experiências legais. Fiz parte da empresa júnior por dois momentos: o primeiro em Recursos Humanos e o segundo em Administrativo-Financeiro. Na área de Recursos Humanos, eu ajudava as pessoas a trilharem seus caminhos através do plano de carreira. Na verdade, elas que me ajudavam…a cada reunião eu me tornava uma pessoa melhor ao ouvir as histórias. Já no Administrativo-Financeiro pude desenvolver minha visão de negócios controlando o fluxo de caixa da empresa e lidando com os contratos dos clientes. Coloquei em prática o que sabia sobre controlar as minhas próprias finanças. Além disso, durante este período, meu principal projeto foi regulamentar a empresa conforme os requisitos do cartório e para isso tive que tomar atitude de dona. Foi um grande desafio, mas o resultado foi ótimo!

Em 2013, tive uma oportunidade incrível de morar fora do Brasil. Me aventurei em um intercâmbio de 1 ano e meio para os Estados Unidos, em Gainesville, na Flórida. Foi um momento inigualável, de muito autoconhecimento e desafios. Conhecer e trabalhar com pessoas de culturas diferentes me fez ver o mundo com outros olhos.

Em 2017, realizei também um projeto de iniciação científica o que me proporcionou ser convidada a estagiar na empresa que trabalho até hoje! A empresa recicla os plásticos de resíduos eletroeletrônicos obsoletos apresentando desafios que necessitam de muita flexibilidade e dinamismo.

Ainda falando sobre mim, é indispensável dividir com vocês o meu intercambio voluntário para a Polônia em 2017. Foi o momento em que mais sai da minha zona de conforto enfrentando temperaturas superbaixas e um vocabulário completamente diferente do meu. O meu objetivo era ensinar um pouco da cultura brasileira para as crianças e adolescentes poloneses e foi concluído com sucesso. Eu me identifiquei muito com este país pela tamanha capacidade de resiliência que os poloneses demonstraram após tantos anos de guerra.

Ah, outra coisa que tenho pra contar é que continuo sendo muito curiosa! Eu não consigo parar de estudar… gosto sempre de aprender coisas novas! Para este ano, escolhi estudar francês! Além disso, só de pensar que as aulas da graduação já estavam acabando, decidi ir além e iniciar o mestrado antes de terminar o ano e adiantar algumas matérias!

Se vocês pudessem ouvir meus amigos, eles contariam que me tornei uma pessoa persistente, enérgica e forte…Eles estão sempre pegando meu caderno emprestado, e eu adoro isso! minha melhor amiga me diz sempre que é encantada pela minha resiliência e altruísmo. Diz ainda que não enfrentaria os mesmos desafios com a mesma força.

Sabe, mãe e pai, eu me sinto bem ajudando as pessoas, não importa como… seja na pequena atitude de um abraço até o cuidado com o nosso planeta. Eu quero ser lembrada como aquela pessoa que impactou vidas…. que sempre esteve presente e disposta a ajudar do mesmo jeitinho que vocês me ensinaram.

Hoje, percebo o quanto aprendi com os momentos bons e difíceis que passei. É muito bom olhar para trás e saber que tenho muitos momentos emocionantes na memória. Melhor ainda é olha para frente sabendo que tenho um longo caminho a seguir e que é só o começo. Gosto sempre de lembrar que o mundo é um só e que não estamos sozinhos. Juntos, podemos sempre ir mais longe. Nada é impossível se colocamos energia, otimismo, motivação, dedicação e uma bela dose de empatia.

Se eu faria alguma coisa diferente? Não! Talvez, se eu não tivesse passado por tantos momentos de aprendizado não teria me tornado a pessoa que sou hoje.

Pensando no que ainda vem pela frente, eu confesso, ainda tenho que aprender muito!

A minha última novidade é: estou participando do processo seletivo de trainee da Johnson & Johnson, uma grande oportunidade de aprendizado! Estou muito empolgada com isso porque eu quero fazer parte de algo grandioso. É uma empresa que é preocupada em impactar positivamente a vida das pessoas e o meio ambiente e é por isso que eu quero muito construir uma carreira lá, me tornando uma pessoa cada vez melhor!

Bom, pai e mãe, vou ficando por aqui. Até a próxima carta!

*Infelizmente, meus pais não receberão esta carta. Eu os perdi em um acidente de carro aos 11 anos. Mas sei que em algum lugar estão torcendo por mim!

Obrigada pela oportunidade!

Mariane

Meus aluninhos da Polônia!