28

meu bem,

há tempos que venho relutando escrever essa carta. não por preguiça ou falta de vontade. na verdade, acho que mais por teimosia mesmo (você sabe como eu sou), pois algo me diz que essa carta encerra um dos ciclos da minha vida e não queria que fosse o nosso. talvez por alguma ironia cabalística, te escrevo no aniversário de um ano da minha inesperada declaração sobre meu interesse em você. e por mais que os motivos de escrita nesses dois pontos do tempo sejam opostos, a coragem que precisei reunir é a mesma.

nós dois sabemos que era inevitável que nossa história tomasse esse rumo e, por mais que esperneássemos, brigássemos, buscássemos soluções mirabolantes pra fazer um quadrado caber dentro de um círculo, enfim abraçamos nosso destino. somos de espécies diferentes, e é simples assim. apenas não cabemos um no outro. eu sei que é triste de pensar que não conseguimos resolver tudo o que queremos, por mais carregados de amor e disposição que estivermos; tem coisas que simplesmente não são.

mas sabe, eu não acho que a impossibilidade de um relacionamento apague um sentimento, muito menos uma história. e é exatamente por isso que te escrevo esta carta-despedida, pois quero que você saiba o quanto eu te amo, o quanto eu sempre te amarei, mesmo que o destino invente de te colocar em algum ponto distante do globo vivendo uma vida na qual eu serei apenas alguma vaga memória de uma experiência amorosa. você vai sempre fazer parte da minha história de maneira viva e, portanto, carregado de significado.

não vou mentir dizendo que tem sido fácil; tem dias que são particularmente horríveis. eu sinto falta de você nas coisas mais banais da minha rotina. do café diário, das conversas sobre o nosso dia, da troca de carinho através de mensagens. as vezes, eu sinto cheiro de pipoca e imediatamente me transporto para os nossos infinitos finais de semana na cama vendo filme, e isso me destrói. mas assim como tudo na vida, esses dias também se vão e novos vem. eu tenho feito coisas novas, conhecido gente nova, criado laços. eu tenho me tornado feliz, de um jeito também novo. e talvez por conta disso agora sua lembrança não me machuca tanto. ela é como uma música, um perfume ou como olhar uma fotografia: algo que transporta para algum outro ponto distante da nossa vida de maneira intensa e efêmera.

portanto, meu bem, eu quero de todo meu coração que você siga e viva. que você seja feliz de jeitos que nunca imaginou e que um dia, quando for possível, a gente se reencontre e compartilhe nossas felicidades um com o outro, para nos alegrarmos e orgulharmos de termos compartilhado um pedacinho da nossa história. quero que esse inevitável período de sofrimento seja curto e saudável, e que você não se culpe nunca, por nada. não há o que perdoar. eu desejo que você se transforme num homem mais forte e maduro depois disso tudo, e que consiga olhar para o desfecho das coisas como um momento de superação, um divisor de águas na sua vida. é o que eu tenho feito, e acho que ainda farei durante anos.

por fim, desejo que você conheça alguém que, assim como eu, te ame perdidamente e queira de todo coração dividir a vida com você. que seja alguém que te faça bem, te apoie, te escute, te dê carinho. alguém como você.

até algum dia.

com amor,

M.