Chuva de Verão

Você falou que ia passar, Zé!

Que era só chuvisco, garoa fina mas não.

Era verão, Zé!

Era um sol para cada um, tava uma puta lua!

Eu prendi uma flor no cabelo e coloquei a saia rendada.

Tinha carnaval pra todo lado, lembra, Zé?

A gente deu risada e seguiu desfilando, descobrindo.

Tava tudo ritmado, não precisava falar, não.

O bloco afinado, um mesmo som, parecia mágica.

Tilintava o nariz e chovia confete, uma piscadela Zé, cobria o baile todo!

De repente a fanfarra parou e ninguém entendeu nada!

Escureceu mas o tempo não fechou.

Virou um corre-corre, tropecei e perdi a flor.

Só sobrou um ou dois rolos de serpentina, não joguei.

Acho que não vão longe porque a garoa molhou.

Mas Zé, abre mais uma pra gente e termina de me contar do Corinthians!

A noite eu vou lá me despedir e agradecer o professor.

São Paulo, 30 de novembro de 2013