Com o mundo na ponta dos dedos

Blogs ganham confiança de grandes marcas e se fortalecem como negócio e estilo de vida

Ao imaginar um profissional próximo dos 30 anos de idade, há quem logo idealize uma pessoa trancafiada durante horas em um escritório, tendo que entregar relatórios, atender clientes, telefonemas, e-mails, dar conta de reuniões intermináveis e da equipe, aguardando ansiosamente o final do expediente para, só então, poder viver sua vida.

No entanto, este retrato não é nada fiel quando falamos de empreendedores digitais. Marcos Slaviero, recém-chegado ao clube dos 30, é tudo e um pouco mais do que se imagina de um grande empresário. Sabrina Olivetti, Thais Marques e Marina Fabri, do Coisas de Diva, ainda na casa dos vinte e poucos anos, também compõem esse time, que pensa e faz diferente.

Marcos Slaviero. Crédito: Divulgação.

Eles fogem à regra da cultura do trabalho formal, da carreira promissora no escritório e fazem jus às características da geração Millenials. São blogueiros que carregam consigo uma legião de fãs. O trabalho depende dos gadgets e das mídias sociais e, seus posts sobre comportamento, moda, beleza e lifestyle, atingem milhares de seguidores e atraem os olhares dos consumidores e, também, de grandes marcas.

Não à toa. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), o Brasil é o quarto maior produtor de vestuário do mundo. O segmento é responsável por 5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Já no setor de beleza, perfumaria e estética, somos responsáveis pelo terceiro maior mercado consumidor desses produtos. Apenas em 2014, o crescimento nominal foi de 11% e o faturamento ultrapassou os R$ 101,7 bilhões de reais, como indica a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC).

Os números explicam parte do fenômeno dos blogs, já que cada vez mais os brasileiros estão ligados nas tendências dessas fatias de mercado e, com os olhos voltados para marcas e produtos que se fazem conhecer por meio dessas plataformas como as de Slaviero e das Divas.

A outra explicação para o sucesso é talvez a mais complicada, mas também a mais simples: trabalho árduo e dedicação. Para ser reconhecido e se destacar neste mercado mais que disputado da internet, é preciso ter algum diferencial e muito profissionalismo.

“Sempre me perguntam como consegui tantos seguidores e foi sendo exatamente honesto, eu mesmo. A autenticidade é a ‘alma do negócio’. Se eu não gosto, eu não posto. Uso minhas mídias sociais para transmitir coisas boas e alegres”, aponta Slaviero, que acumula 27 mil visualizações únicas em algumas matérias de seu site, cinco mil visualizações por dia no portal, além dos mais de 20 mil seguidores no Instagram e tantos mais em suas outras mídias.

Com esses números impressionantes, as marcas entenderam que os blogs poderiam ser eficientes plataformas de relacionamento com o cliente, mas que para isso, precisavam que os blogueiros fossem ainda mais profissionais, até para poderem ter a mesma credibilidade que veículos da grande e consolidada imprensa.

Para Silvia Pires Omairy, gerente de marketing do Park Shopping Barigui, em Curitiba, é preciso compreender estes espaços como novos meios de comunicação, e que são bastante importantes para a divulgação de eventos, novas lojas e a dinâmica do comércio. “A gente avalia o que há no mercado e então fazemos a seleção de alguns nomes para que eles sejam comunicadores da nossa notícia”, afirma.

Pioneiro no relacionamento digital, O Boticário trabalha em parceria efetiva com blogs desde 2012. Antes disso, a marca realizou ações pontuais para compreender melhor este nicho. “Procuramos entender quem são e como trabalham esses profissionais, para que o nosso relacionamento com eles fosse, desde o princípio, muito verdadeiro e consistente”, defende Vanessa Gardano, gerente de marketing digital da marca.

O olhar focado permitiu ao O Boticário desenvolver iniciativas inovadoras e com muita troca positiva. “As blogueiras têm ganhado cada vez mais relevância na comunicação, ao criarem um vínculo muito próximo com as consumidoras, exercerem grande influência sobre elas”, revela.

Sobre o efetivo retorno nessas parcerias, há como calcular o saldo positivo. “Temos conseguido resultados muito bons. Além dos que são mensuráveis (retorno em posts positivos, comentários de seguidoras que são potenciais consumidoras e alcance, por exemplo), temos ganho de imagem da marca e, certamente, isso acaba influenciando na ponta – ou seja, nas vendas”, diz Vanessa.

Novos profissionais, novas formas de relacionamento

Em 2008, quando ainda eram estudantes universitárias, as meninas do Coisas de Diva criaram o blog para trocar dicas de maquiagem e moda. Era a extensão natural das conversas com as amigas, mas o que era apenas um espaço de câmbio de ideias se tornou um negócio.

“Não tínhamos a pretensão de fazer disso uma profissão ou de conquistar muitos seguidores. Acredito que nosso crescimento foi um misto de sorte com trabalho muito bem feito. Sempre focado no conteúdo e credibilidade com a leitora, acabamos crescendo. Ao longo dos anos, fomos nos adaptando conforme a demanda: criamos uma empresa, registramos nossa marca e agora investimos em equipamento para sempre termos um conteúdo de qualidade”, aponta Sabrina Olivetti uma das idealizadoras do Coisas de Diva.

A responsabilidade com o conteúdo publicado é um dos fatores que levam as meninas a ter dois milhões de visualizações por mês no blog, 150 mil seguidores no Facebook e outros 100 mil no Instagram. Há alguns anos, elas receberam uma boa proposta comercial para um post patrocinado e aí, as coisas mudaram.

“Decidimos que nossa política seria sempre de transparência com a leitora e que iríamos sinalizar todo o conteúdo que fosse patrocinado. Temos resenhas espontâneas que são feitas independentemente de acordos comerciais ou de permuta e temos o conteúdo patrocinado. Tudo é sinalizado, tanto no blog como nas redes sociais. Ter lucro com o blog é uma forma natural de trabalhar, já que temos um fluxo muito alto de acessos e um nicho específico de pessoas”, indica Sabrina.

Equipe Coisas de Diva. Crédito: Divulgação

Para O Boticário, mesmo quando há patrocínio de posts, existe a preocupação de construir um relacionamento com as blogueiras e promover a vivência delas com a marca antes de iniciar qualquer ação paga. “Procuramos acompanhar essas profissionais e, assim, as particularidades de cada uma. Quando entendemos que há ressonância entre uma determinada mensagem e a proposta de mídia de uma blogueira, patrocinamos o trabalho dela – seja por posts pagos, pela cobertura de determinada iniciativa ou pela presença dela em algum evento com seguidoras”, afirma Vanessa.

O Park Shopping Barigui não costuma pagar pela presença das blogueiras em seus eventos, mas tem uma parceria antiga com o blog de Slaviero, no qual mantém anúncio publicitário permanente. “Temos relacionamento por meio de assessoria de imprensa com esses portais e quando há eventos que interessem a nós tê-los aqui, direcionamos material aos que tratam do assunto determinado”, diz Silvia.

Em comparação com o valor cobrado por 30 segundos de comercial na televisão, os mídia kits dos blogueiros são até bem em conta. No entanto, estão cada vez mais competitivos com as mídias tradicionais. A presença em evento, uma publicação única de uma ação, a elaboração de um editorial, ou algo do gênero, não saem por menos de R$ 3.000,00. E esse valor, é com base em portais menores. Blogs de repercussão nacional ou internacional, como é o caso dos de Slaviero e das Divas, os valores são ainda maiores e o céu é o limite.

“Tenho um mídia kit que envio aos clientes com valores de diferentes pacotes. Desde banners, a publiposts no site, no Instagram ou até mesmo no Facebook. Vendemos também os vídeos. Sigo ainda, uma tabela para presença em eventos, pois assim como todos, também tenho contas a pagar”, brinca Slaviero.

Para as meninas do Coisas de Diva o processo de cobrança é natural, já que o cliente usa a imagem da blogueira para promover o seu negócio. “Atualmente, muitas marcas pedem presença em inauguração de lojas, de coleções ou até em apresentação de palestras, é normal que seja cobrado por essa presença”, diz Sabrina.

Reconhecimento, seus percalços e o futuro

A exposição de suas vidas pessoais nas redes sociais acaba sendo um fator que diferencia essas mídias das tradicionais, conforme lembra Silvia. “Temos que pensar que essas pessoas estão compartilhando com o mundo o seu dia a dia, o seu estilo de vida e isso é bastante interessante e diferente”, aponta.

Justamente por isso, algumas vezes, acabam sendo alvo de críticas de outros membros da imprensa. “Não podemos generalizar, mas alguns profissionais se sentem incomodados com a divisão de espaço com pessoas não formadas em comunicação”, afirma Sabrina, que é designer, mas divide com duas jornalistas as postagens nas redes das Divas.

Para Slaviero, ainda existe certo preconceito com os blogueiros. “Já senti isso muitas vezes. Fui mal tratado, porém sempre tratei todos com respeito afinal, existe trabalho para todos. Já comecei o negócio sendo bem profissional, contratei uma equipe que até hoje está comigo, dentre elas, uma jornalista, acho muito importante”, afirma.

Além de lidar com esses julgamentos, a quantidade de seguidores traz consigo um inesperado sucesso. “Começamos a perceber o número de pessoas que estávamos atingindo quando as leitoras passaram a nos abordar na rua. Não vejo isso como fama, mas como um blog grande que é muito conhecido. Não me sinto diferente de qualquer outra pessoa. É muito bacana poder encontrar as pessoas na rua e ver que nossas leitoras são mulheres reais, de carne e osso e que pensam mais ou menos como a gente”, indica Sabrina.

Slaviero começou a perceber que passou a ser referência, quando marcas importantes começaram a anunciar no blog ou fazer eventos com ele. “Tem a receptividade do pessoal, principalmente em Curitiba, as pessoas me param em restaurantes, festas, baladas ou até mesmo no corredor do shopping para me contar que seguem minhas redes. Isso não tem preço. Fico sempre muito feliz, é uma ‘fama’ gostosa”, defende.

E se as redes sociais proporcionam ganhos e fama, nada mais natural que ultrapassar a barreira digital, correto? Não, este ainda não é o foco de Slaviero. “Daqui a cinco anos, imagino um portal muito mais completo. Não quero que ele perca o ar pessoal que tem, por isso ainda vai continuar com o meu nome por um bom tempo”, conclui.

As Divas seguem pelo mesmo caminho de Slaviero quando pensam no futuro. “Não temos projetos de transformar a marca do Coisas de Diva em produtos, por enquanto. Esperamos que daqui cinco anos o blog ainda atinja as mulheres e ajude a fazer de suas vidas algo mais leve e prazeroso. No blog focamos muito no tema ‘use o que te faz feliz’, queremos que nossas leitoras aprendam a gostar delas mesmas do jeito que são, com todas as suas qualidades e defeitos. Somos contra padrões de beleza e regras de moda”, conclui Sabrina.

*Matéria originalmente publicada na Revista Dimensão, agosto de 2015.