Porque decidi sair da minha própria empresa

Parte 1: O que me levou a ter uma empresa na área de educação

Passei alguns anos refletindo e estudando pessoas e suas relações com o trabalho. Gosto de observar as atitudes e entender o que está acontecendo por trás delas.

Neste processo percebi que muitas pessoas (de vários países e classes sociais diferentes) vivem no “modo automático”: trabalham por trabalhar, aproveitam o que dá no tempo livre e sentem-se obrigadas a ter a vida que levam de segunda a sexta-feira. A frase que mais escuto é “A vida é assim mesmo, não dá para mudar”.

O trabalho fixo tem seus prós (como disciplina, foco e divisão clara entre trabalho e vida pessoal) e contras (obrigação do horário fixo, comparações constantes de resultados e produtividade com colegas de trabalho, lidar todos os dias com as mesmas pessoas sem poder expressar sentimentos, emoções, medos e inseguranças, entre outros).

Porém, o que mais me incomodou ao observar a relação das pessoas com o trabalho em várias indústrias de países e classes sociais diferentes foi o MEDO DE ERRAR. Não ser bem visto pelos chefes e entre os colegas de trabalho, perder o emprego ou ser criticado/questionado pelos outros são os maiores medos das pessoas. Mas… O que é errar? O que é fracassar? É realmente algo ruim? Eu atuava como consultora de inovação (e estava acostumada a errar e fracassar!) quando conectei os pontos: somos educados desde pequenos a ver o erro como algo negativo e crescemos com este mindset. A não ser que você passe por um processo de transformação profunda do seu modelo mental (o que aconteceu comigo ao trabalhar com inovação), você seguirá com o mesmo mindset para o resto da vida.


Parte 2: O início da Aporé e nosso foco em jovens de 15 a 20 anos

Fiquei tão incomodada com o medo de errar das pessoas que perdi algumas noites de sono refletindo sobre o assunto. Decidi, então, largar tudo, entrar para a área de educação e criar há mais de 2 anos atrás a Aporé, uma aceleradora de pessoas que oferece um programa de mentoria profissional para que jovens de 15 a 20 anos tenham experiências práticas que permitam descobrir seus talentos e paixões antes da escolha de uma carreira profissional. Queremos que os jovens tenham experiências que os ensinem a errar e aprender com os erros. Por exemplo, um jovem que tem certeza que quer estudar Medicina experimenta na prática essa e outras áreas e aprende errando que Medicina não tinha nada a ver com ele, e sim Administração.

Queremos que o mindset dos jovens mude para que eles possam ter uma carreira de sucesso com propósito ao longo da vida e não apenas uma carreira qualquer, sendo adultos mais preparados para lidar com as incertezas e mudanças rápidas do mundo em que vivemos hoje.

Vídeo teaser do programa de mentoria da Aporé: www.apore.biz

Levamos 2 anos para chegar neste produto. A Aporé começou oferecendo consultoria de inovação para escolas e universidades e identificamos no meio do caminho a necessidade latente e profunda dos jovens de apoio para ter uma escolha de carreira mais consciente. A dor dos jovens por não serem entendidos e respeitados pelos adultos (pais e professores) nesta fase tão difícil da vida (que todos nós passamos e lembramos o quão difícil é) era tão grande que foi praticamente impossível não querer encontrar uma solução para este problema. Lembro exatamente o que disse quando conheci minhas sócias atuais 7 meses depois de abrir a Aporé:

“Precisamos criar um produto que mude significativamente a forma como os jovens escolhem suas carreiras profissionais. Quero tirar esse produto do papel e estava procurando alguém para me ajudar a fazer isso. Querem me ajudar?”

Elas toparam na hora, viramos sócias e durante 1 ano fizemos 1 protótipo e 2 pilotos para validar a metodologia e o interesse dos alunos e escolas no produto. Hoje já trabalhamos com mais de 600 jovens e 15 escolas e estamos muito felizes com os resultados e com o impacto do programa!

E antes que você ache que tivemos só sucessos, erramos MUITO antes de chegar no produto final e erramos MUITO vendendo o produto até encontrar o melhor modelo de negócio. O erro é parte fundamental do aprendizado e do crescimento tanto de uma empresa como das pessoas que trabalham nela.


Parte 3: Minha saída da Aporé para trabalhar com adultos e garantir que eles tenham “acabativa” em seus projetos pessoais e profissionais

Agora vem a parte que você deve estar se perguntando e tentando entender:

“Você investiu seu tempo e dinheiro para abrir um negócio na área de educação e agora que vocês chegaram em um produto com valor agregado e com um potencial enorme de crescimento você vai sair? Por quê?”

Criar a Aporé foi a melhor coisa que eu poderia ter feito na minha vida! Eu nunca aprendi tanto sobre mim, meus talentos e habilidades como aprendi nos últimos 2 anos e meio. Foi definitivamente a melhor experiência da minha vida!

Decidi sair da Aporé há 3 meses atrás porque vejo com clareza hoje que meu trabalho tem mais impacto nos adultos do que nos jovens e porque sinto que meu propósito de vida é solucionar desafios do mundo e desenvolver pessoas, não gerenciar empresas, mesmo que seja a minha própria empresa.

Olho para a Aporé agora, vejo o time incrível e os resultados que alcançamos e penso “Meu trabalho aqui terminou. Agora preciso encontrar novos desafios para resolver!”.

a) Meu lado solucionador de problemas

Sou consultora de inovação há 8 anos e me descobri como solucionadora de problemas desde então (já sentia isso desde criança, mas só descobri que podia ser minha profissão após conhecer o mundo do Design Thinking e da inovação).

Amo desafios e amo resolver problemas sem solução. Quanto mais desafios melhor! Por outro lado, quando tenho um projeto com direções claras e não tenho grandes desafios para solucionar me desmotivo com muita facilidade, não me sinto conectada e nem sinto que estou dando o meu melhor para o projeto. É como se o meu coração (ou instinto, o que você preferir) me perguntasse aos gritos:

“Marina, o que vamos fazer? Qual será o grande desafio que vamos solucionar agora?”

Comecei a sentir a desconexão e desmotivação na Aporé no início do ano e levei alguns meses para interpretar o que estava realmente sentindo. Definitivamente, não foi fácil. Chorei algumas vezes sem entender porquê a desconexão estava acontecendo e refleti muito até entender que QUEM EU SOU não se encaixa em um cargo de “gestora de coisas com caminhos definidos”, seja a minha empresa ou a empresa dos outros. Nasci para tirar projetos de várias áreas diferentes do papel, para solucionar problemas, tirar as pessoas da zona de conforto e ajudá-las a não só começar seus projetos como, principalmente, TERMINÁ-LOS.

Desde que me conheço por gente, nunca deixei projetos pessoais ou profissionais importantes pela metade. Fiz um plano de desenvolvimento pessoal na universidade e 5 anos depois havia conquistado tudo que coloquei no plano. E até hoje sou assim: planejo, faço, termino, aprendo e sigo em frente (Saiba mais sobre as minhas experiências aqui).

Algumas pessoas me procuraram nos últimos meses para ser mentora de seus negócios e estavam dispostas a pagar por isso (até então eu não imaginava que era possível ganhar dinheiro com mentoria). Elas não só pagaram como ficaram muito satisfeitas com o resultado:

“O processo foi um DIVISOR DE ÁGUAS em nossa capacidade de ser efetivamente uma empresa e não apenas uma ideia. Foi essencial para diminuir o tempo de aprendizado dos sócios, ajudar no processo de definição de estratégia e direcionamento do foco da empresa.”

— Paula Bergasse (33) e Thiago Alvarez (33), sócios-fundadores da Trompa de Eustáquio, produtora online de áudio: trompadeeustaquio.com

Às vezes as pessoas se sentem estagnadas em seus projetos porque não visualizam com clareza qual caminho seguir. Neste momento meus anos de consultoria de inovação e estratégia aliados à minha natureza solucionadora de problemas contribuem para que qualquer pessoa de qualquer classe social tenha acesso de forma simples e rápida às melhores ferramentas e práticas para focar no que realmente garantirá que o projeto saia do papel e traga todos os benefícios esperados.

b) Meu lado desenvolvedor de pessoas

Desde que fundei a Aporé muitas pessoas me recomendaram fazer a formação em Coaching, pois acreditavam que tinha tudo a ver com o meu perfil. Em geral, gero confiança com facilidade e as pessoas (conhecidas ou não) abrem seu coração pra mim na primeira conversa que temos. Isso era um sinal bem claro de que eu tinha o mais importante para ser Coach, mas mesmo assim não acreditava muito e só decidi fazer a formação quando senti em uma reunião com um cliente que não tinha as ferramentas que precisava para ajudar no desenvolvimento pessoal e profissional dele. Fiz a formação e me surpreendi por encontrar tantas ferramentas incríveis e que realmente geram resultados concretos na vida das pessoas.

A formação pede experiência prática e decidi realizar atendimentos pro bono (gratuitos, mas com a mesma qualidade de serviços pagos) para realmente atuar na área. Divulguei na minha página pessoal do Facebook e tive uma grande surpresa: mais de 40 pessoas ficaram interessadas em fazer o processo comigo!

Decidi começar com 12 atendimentos, dentre os quais 6 foram pro bono e 6 já foram atendimentos pagos. Isso chamou muito a minha atenção, pois as pessoas viam valor em mim como Coach e estavam dispostas a pagar por isso (valor que até então eu não tinha enxergado com clareza).

Mais de 70% dos meus clientes de Coaching alcançaram pelo menos 80% de seus objetivos em menos de 6 meses de trabalho.

Os feedbacks me mostram como o Coach contribui de forma significativa com o meu lado desenvolvedor de pessoas:

“Foi um processo muito importante para POTENCIALIZAR MINHAS AÇÕES, deixar mais claro meu negócio e minha missão pessoal.”

— Caio Dib (25), fundador do Caindo no Brasil: www.caindonobrasil.com.br

“O processo foi fundamental para o redirecionamento da minha carreira após o nascimento do meu filho. De forma rápida e objetiva, Marina me ajudou a enxergar e ouvir valores, sonhos e inquietações que estavam latentes e que me distanciavam da minha verdadeira realização. REDESENHEI O MEU PROJETO PROFISSIONAL de forma compatível com a nova rotina familiar e estou muito feliz com esta nova trajetória.”

— Melina Sanchez, Educadora (39)

c) Unindo meu lado solucionador de problemas e meu lado desenvolvedor de pessoas

Muitas pessoas começam seus projetos pessoais e profissionais, mas a maioria acaba não terminando eles (por diversas razões) e se frustram ao longo da vida por nunca conseguirem tirar os sonhos do papel. Eu nasci para tirar projetos do papel e terminá-los e muita gente não consegue fazer isso com facilidade. Foi um insight muito importante pra mim.

A falta de “acabativa” (neologismo criado por Stephen Kanitz: “a capacidade que algumas pessoas possuem de terminar aquilo que iniciaram ou concluir o que outros começaram”) é muito comum na cultura brasileira, isso me incomoda muito e sinto que este é o “grande desafio” que meu coração vem pedindo pra mim nos últimos meses: contribuir para que as pessoas no Brasil tenham acabativa.

Já tive clientes de Consultoria e Mentoria que, apesar de estarem conectados com os seus projetos não conseguiram tirá-los do papel porque faltou a consciência para entender e, principalmente, aceitar o que estava bloqueando o caminho deles como indivíduos.

Também já tive clientes de Coaching que não tiraram projetos do papel porque faltou um apoio mais próximo na execução para quebrar as primeiras barreiras que existem em qualquer novo projeto criado.

Por esses motivos decidi unir meus dois talentos (desenvolvedora de pessoas e solucionadora de problemas) e oferecer um pacote completo de serviços que permitirá que todos os meus clientes efetivamente terminem seus projetos pessoais e profissionais e alcancem resultados extraordinários.

Serviços que ofereço para que você possa não só tirar seu projeto pessoal ou profissional do papel, mas principalmente, terminá-lo e ter, assim, todos os benefícios esperados com ele na sua vida.

Ao entender e trazer para o consciente, por meio do Coaching, porque você não consegue tirar seu projeto do papel, tudo ficará mais claro e facilitará muito a execução do projeto. A Consultoria e a Mentoria darão o foco, direcionamento e acompanhamento periódico para o seu projeto, garantindo que ele será iniciado e finalizado, trazendo todos os benefícios esperados por você.

Continuo com o meu sonho de transformar o Brasil da mesma forma que queria com a Aporé, mas enquanto minhas sócias farão isso por meio da descoberta de carreiras com propósito pelos jovens eu vou focar em contribuir para que os adultos tenham mais consciência do que os move e possam, assim, ter acabativa em seus projetos pessoais e profissionais.


Se tudo que falei aqui fez sentido pra você, sinta-se à vontade para acompanhar de perto o meu trabalho! Amo criar conteúdos e vai ser um prazer ter a sua opinião e/ou sugestões para melhorar cada dia mais. Deixe seus comentários aqui ou envie um e-mail para marina@marinatrindade.com.

E se curtiu o texto, deixe um coração clicando aqui embaixo para que mais pessoas possam encontrá-lo ❤