O Idiota Útil na Igreja

Um idiota útil é aquele que defende com ar de superioridade e “isenção”, direta ou indiretamente, pautas que visam destruir sua classe.

Quando um cristão ajuda a pôr no poder alguém de esquerda (ou um libertário) – que possui uma mentalidade revolucionária, que crê estar habilitado para remoldar a sociedade e seus costumes —, contribui com ações que vão contra a sua fé e os seus valores.

Atualmente, quem vota no PT depois de tudo que o partido vez não pode falar em moralidade. Recentemente o partido reafirmou seu apoio ao ditador Maduro – como falar em diretos humanos defendendo um partido desse? O Haddad se associa à escola de Frankfurt, ou seja, quer o fim da moralidade cristã, seu partido defende o assassinato de bebês – o ser humano em seu estado mais indefeso —, o candidato é socialista – afirmo isso baseado no livro dele: Em Defesa do Socialismo – e como diz o Catecismo da Igreja Católica no n° 2425 “A Igreja tem rejeitado as ideologias totalitárias e ateias associadas, nos tempos modernos, ao ‘comunismo’ ou ao ‘socialismo’. Além disso, na prática do ‘capitalismo’, ela recusou o individualismo e o primado absoluto da lei de mercado sobre o trabalho humano.”

Dizem que quem apoia o Bolsonaro é violento e um monte de “istas”, mas todo ato violento ocorre quando o povo tolerante, da esquerda, encontra-se. Basta recordar um pouco às manifestações de 2013 e 2015. A primeira organizada pela esquerda só causou vandalismo e barbárie, até a morte de um jornalista. A segunda reuniu muito mais gente e se quer teve uma lixeira depredada.

O que vejo é que muitos que condenam o suposto ódio do Bolsonaro, estão envolvidos nesse ódio.

A ideologia de esquerda se mostrou devastadora: fuzilamento aos opositores (já leu algo sobre o herói dos tolerantes o Che Guevara?), mortes por fome (olha ali nossos irmãos venezuelanos tendo que comer carne podre), fome e mais fome. Perseguição religiosa (China te lembra algo e os nossos irmão de fé da Nicarágua?). Isso para não voltarmos tanto ao passado.

E que tal falarmos sobre o marxismo cultural: ideologia de gênero, feminismo, aborto, adoção por gays, teologia da libertação, o fim da família “tradicional”, missão integral, destruição da cultura cristã, etc?

O marxismo cultural infiltrou-se em nossa Igreja pela teologia da libertação e só causou espírito de divisão, sendo condenada pela Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé em 1984 no pontificado de São João Paulo II.

Será que é tão difícil entender isso?